MENU

by • agosto 15, 2011 • ResenhasComments (10)2131

[Resenha] Celular, de Stephen King

Como não começar esta resenha falando de Stephen King? A estrutura de seus enredos é incrível. O caráter humano dos personagens é extremamente bem construído, beirando ao real, por mais fantástico e absurdo que a história da vez possa parecer. É impossível não se ver, de certa forma, na pele de seus personagens.

A característica mais impressionante do autor não é proporcionar o frio na barriga e deixar o nosso cabelo em pé (sim, ele faz isso), mas, principalmente, a sensação de que a história contada, por mais mirabolante que pareça, poderia acontecer. É um mergulho de cabeça em um cenário improvável e estranho que nos deixa refletindo sobre quais escolhas faríamos se estivéssemos em seu lugar. É um terror psicológico colocado de forma tão natural e realista que deixamos o frio na barriga de lado e nos enchemos de coragem para entender o que virá a seguir. É a sensação de que não temos escolha, senão prosseguir com a leitura.

Em CelularClay Riddell  é um desenhista de histórias em quadrinhos em ascensão. Em uma viagem à negócios, ele deixa sua ex-esposa e o filho pequeno no Maine, enquanto aguarda em Boston num dia de verão, até que o inferno instala-se no local. De repente, todos as pessoas que estavam usando o aparelho celular enlouquecem num ataque que poderia ser descrito como zumbi.

O cenário pode parecer completamente irreal, mas assim também acontece aos olhos do protagonista. Ao observá-lo em ação, sentimos como se aquele mundo apocalíptico fosse uma triste (e bizarra) realidade, nos deixando mais próximos e solidários aos dilemas de Riddell. Não demora para um tornar-se três, formando um trio improvável de aventureiros, completo com a presença de Tom McCourt e Alice Maxwell, uma adolescente de 15 anos. Ademais, cada personagem, por mais passageiro e secundário que seja, deixa sua marca de forma vital e necessária para a completa contextualização do que está ocorrendo, sem despropósitos ou cenas descartáveis.

Inseridos na jornada de Clay e seus amigos em direção ao Maine, o trio, e o leitor, depara-se com o que a humanidade pode fazer de pior, e descobrem até que ponto os seres humanos e o seu instinto de sobrevivência podem chegar quando ameaçados. Vemos uma realidade onde os inimigos não são apenas os mortos-vivos (conhecidos na história como fonáticos), algo que não estaria muito longe do que encontraríamos caso defrontados por um cenário apocalíptico.

Em meio ao desespero, King adentra questões sobre a natureza humano e sua inclinação para o bem e para o mal, além da importância de laços sólidos para nos manter firmes em situações limites. Claramente escrito por alguém com extremo domínio e habilidade, é certo que a narrativa hipnótica e marcante do mestre do terror consegue envolver até as mentes mais inquietas. Publicado em 2006 nos Estados Unidos, King declara, ao final do livro, não possuir um aparelho celular.

Título Original: Cell
Editora: Objetiva
Número de Páginas: 400
Gênero: Terror

Related Posts

10 Responses to [Resenha] Celular, de Stephen King

  1. Aione Simões disse:

    Pelo tanto que você falou do livro, eu fiquei super curiosa pra ler!
    Antes de falar sobre ele, deixa eu comentar sobre o Stephen King! Acho que só li 2 livros dele até hoje: um é “A Maldição do CIgano” e o outro “O Pistoleiro”, da série “A Torre Negra”. Nenhum dos dois me causou uma grande paixão, principalmente o segundo, porque a narrativa dele não me prendeu. Mas eu quero muito ler “Carrie, a Estranha” e, pelo que você falou sobre “Celular”, esse também entrou na lista de leituras desejadas!
    E eu li toda a resenha, tá? Hehehe…Super te entendo, eu também falo demais, principalmente quando gosto muito de algo! Quando não gosto também, porque ai fico querendo justificar o porquê de não gostar!

    Duda, muito obrigada pelo comentário lá no blog viu?
    O seu é um blog que também faço questão de sempre comentar e visitar porque é um que adoro, com qualidade e você é super fofa!
    Fico feliz que o Minha Vida Literária seja querido pra você hehe!

    Beijos!

  2. Alinne Lopez disse:

    Fiquei super curiosa para ler estes livros que citou.
    Os livros dele são realmente muito bons.Estou termindo A hora do vampiro e te digo que é ótimo, tem muito suspense. Um que tenho muita vontade de ler é o Iluminado…dizem que é 3 vezes mais intenso que o filme.
    Beijos.


    Books E Desenhos

  3. Anonymous disse:

    Sempre tive a vontade natural de conhecer sua obra, mas nunca havia tido a coragem (isso mesmo a coragem pois sou medrosa ao extremo)+1

    Eu to loca para ler algum livro do King mas tenho receio já vir dois filmes baseados nos livros dele e para falar a verdade não gostei do final dos filmes,acho que tenho medo que seja parecido com o final do livro e me decepcionar,mas vc falou tão bem dele que quero lé mesmo assim.

    Jayane.

  4. Uau.

    Suas resenhas são longas mas maravilhosas!

    Nossa, assim como voce tinha medo de ler terror, eu tenho agora.
    Morro de vontade e curiosidade em ler um do KING, e isso já faz um bom tempo.

    Como voce disse que dos que voce já leu o melhor é celular, vou ver se pego para eu ler.

    (o duro vai ser criar coragem)

    Beijos!
    Bia | Blog Livros e Atitudes

  5. Angélica Roz disse:

    Oi Eduarda!
    Amei a resenha! Você me deixou doida para ler o livro! Este eu ainda não tenho aqui…
    Eu também adoro o autor! A narrativa dele é incrível! E é bem o que você falou quanto aos personagens… são muito reais!
    Você já leu O Iluminado? É o meu preferido até agora. Tenho aqui para ler A Dança da Morte e também A Coisa, mas ainda não encarei devido ao tamanho… Mas, não vejo a hora das coisas acalmarem para poder ler ambos.
    Estou adorando a sua participação lá no blog! Temos o gosto bem parecido!! É bem difícil eu encontrar pessoas com o mesmo meu gosto na blogosfera. A maioria só gosta de livros teens e lançamentos… 🙁 Estou numa fase meio sem paciência para livros teens…
    Adorei o seu comentário lá na resenha A Guerra dos Tronos. Se você ama o Tolkien, vai amar o Martin também! A temática é um pouco diferente. Mas muito bom também!! Não vejo a hora de ler o segundo volume da série.
    Quanto ao livro O Milagre, do Nicholas Sparks, você acertou em cheio… adorei o livro! Uma leitura leve e super gostosa. Um pouco clichê claroo, mas muito bom! 😀 Quarta vou postar a resenha. 😉
    Me empolguei no tamanho do comentário… hehe Mas, era muito papo atrasado!! Precisava colocar a conversa em dia!
    Bjss!!

  6. ­Nanda disse:

    Oiii *-* Eu adorei a resenha! 😀 Li um livro do King um tempo atrás e AMEI, quero muito conhecer todos os outros que ele lançou, acho livros de terror algo divino! HUAHAUH voc tem que ser muito bom (como SK) para nos fazer sentir medo por páginas! >< Beijos, nanda
    http://www.julguepelacapa.blogspot.com

  7. Daniela disse:

    Sempre tive a vontade natural de conhecer sua obra, mas nunca havia tido a coragem (isso mesmo a coragem pois sou medrosa ao extremo)+2

    Eu sou medrosa e não nego! Falo mesmo!
    Eu conheço a maioria dos títulos do SK, mas quem disse que eu arrisco?
    Há!

    Muito embora a minha curiosidade tenha sido BEM cutucada por causa da tua resenha *-*

    Beijos, Dani

  8. Naty disse:

    Fiquei morrendo de vontade de ler o livro agora!

    Confesso que nunca li nenhum livro desse autor, apesar das várias vezes em que ouvi falar bem dele e de seus livros de terror…

    Nunca li nenhum livro do estilo pra falar a verdade, mas tenho curiosidade de fazê-lo ;D

    Adorei a resenha, bem grandinha, mas muito boa *-*

    beijoos;*
    Naty – Just Books !

  9. Ana Ferreira disse:

    Duuuda,
    Sumi, mas estou aqui novamente!
    Primeiramente, teve uma parte na qual você disse que duvidava que alguém fosse alcançar. Eu cheguei até essa parte, viu? Até o final, para ser sincera.
    Ainda não tive a honra de ler uma obra de Stephen King pelo mesmo motivo que você não as lia: medo. Medo de, quando eu for ler à noite, ter que dormir com a porta, de acabar pensando que o meu celular vai me transformar em zumbi e tudo mais… kkkkkkkk Entretanto, devo dizer, as suas colocações quanto à obra dele deixaram-me bem mais confiantes e menos medrosa.
    A história desse livro em questão, se bem aproveitada, deve ser realmente surpreendente. Fico me perguntando a que ponto a humanidade das personagens de King chegaram em nome da sobrevivência, em nome de si mesmas…
    Não consigo imaginar o que faria num mundo apocalíptico e monstruoso, mas é uma boa pedida e um enredo que convence nas mãos de um autor calejado.
    No mais, a revelação dele de não ter um celular coube muitíssimo (e assustadoramente) bem à situação.

    Beijinhos,
    Ana – Na Parede do Quarto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *