MENU

by • agosto 3, 2011 • FilmesComments (8)1614

Pausa para Moulin Rouge

Desde que o assisti pela primeira vez, em 2001, Moulin Rouge foi diretamente alçado à categoria de filmes favoritos. É Impossível não encantar-se com a história de Christian (Ewan McGregor), um aspirante a escritor cheio de sonhos e ideias ao desembarcar em Paris pela primeira vez, e o seu envolvimento com a linda cortesã Satine (Nicole Kidman).

Moulin Rouge

Christian chega a revolucionária Paris em 1899,  na virada do século, para perseguir um dos seus maiores sonhos: escrever. Ele é acolhido pelo famoso pintor pós-impressionista e litógrafo Toulouse-Lautrec, figura imponente do cenário francês que tornou-se conhecido por pintar a vida boêmia da cidade.

É pela amizade com Toulouse que Christian é inserido no universo do Moulin Rouge e acaba conhecendo a cortesã mais famosa do bordel. Devido a um grande mal entendido os dois acabam ficando juntos e, logo no primeiro momento, o encontro gera uma faísca entre eles, marcando-os de tal forma que ambos não conseguem tirar o outro da cabeça, criando uma espécie de relacionamento impossível entre uma cortesã à procura de dinheiro que não acredita no amor e um escritor pobre e romântico, que não só acredita no amor acima de tudo como também apaixona-se perdidamente por ela.

Moulin Rouge 2

A partir daí somos presenteados com diversas canções maravilhosas que embalam a película de tal forma que esquecemos de que estamos assistindo um filme, envolvidos no grande espetáculo para os olhos e ouvidos que é o Moulin Rouge. As cenas são tão harmônicas que as melodias parecem ter sido criadas especialmente para o enredo.

A trilha sonora possui grandes sucessos consagrados, a exemplo da maravilhosa Your Song, de Elton John, cantada no filme pelo poeta Christian quando inspirado pela beleza estarrecedora de Satine. Apesar de adorar o Elton John, particularmente não consigo evitar minha preferência pela versão do Ewan, carregada de emoção e sentimento. O ator conseguiu transpor em sua voz, feições e gestos, todo o sentimento característico do personagem ao cantá-la e interpretá-la de maneira tão profunda que me arrepio só de escutá-la.

Moulin Rouge 3

O filme também não seria o mesmo se qualquer outra pessoa tivesse feito o papel de Satine. Nicole Kidman deu um show em todos os sentidos, tanto em atuação, quanto cantando, tornando o espetáculo ainda mais gracioso. A melhor cena do filme é quando os dois têm uma pequena discussão a respeito do verdadeiro significado do amor, gravada em cima de uma estrutura no formato de elefante, onde somos agraciados com diálogos recheados de trechos de canções maravilhosas, já conhecidas pelo público.

Para os mais atentos e fãs da indústria fonográfica, é possível identificar desde All You Need Is Love, dos Beatles, passando por I Was Made For Loving You, do Kiss, One More Night, do Phill Collins, Up Where We Belong, do Joe Cocker, até Heroes, do David Bowie, Silly Love Song, do Paul McCartney e muitas outras mais. Quem conseguiria juntar pedaços de todas essas músicas para criar um dos diálogos mais lindos da história? Os roteiristas capricharam nesse quesito, mostrando todo cuidado que tiveram em um filme muito bem realizado em todos os sentidos.

Moulin Rouge 6

Os protagonistas conseguem passar maravilhosamente bem toda a carga emocional necessária em cada cena, e o acompanhamento da paixão entre os dois, que vai aumentando gradualmente, é tão natural que nos vemos enfeitiçados por todo aquele mundo e cenário fantástico do Moulin Rouge. Até mesmo para os menos românticos, é impossível não acabar emocionando-se com a história do casal ao ritmo das músicas e declarações.

Moulin Rouge foi o primeiro musical em um período de 23 anos a ser indicado ao Oscar de Melhor Filme (e até hoje não entendo como não saiu o grande vencedor da noite). O filme venceu dois Oscars (muito merecidos, por sinal) de Melhor Figurino e Melhor Direção de Arte. Alguma dúvida de que não foi merecido?

Moulin Rouge 7

Um verdadeiro espetáculo musical e visual que todas as pessoas, mesmo aquelas que não gostam muito de musicais, deveriam conferir ao menos uma vez. Único, esplêndido, repleto dos mais bonitos ideais e frases, nele somos apresentados aos Children of the Revolution (Filhos da Revolução), sendo o próprio Christian um deles, e seu famoso lema Freedom, Beauty, Truth and Love (Liberdade, Beleza, Verdade e Amor). É também em Moulin Rouge que está presente uma das frases mais lindas que já ouvi e minha preferida dentre todos os filmes que já assisti.

The greatest thing you’ll ever learn, is just to love and be loved… in return“. (A maior/melhor coisa que você irá aprender é apenas amar… e ser amado de volta).

A frase é do cantor Nat King Cole, e é uma das mais importantes do filme. Só a conheci através do longa, e me digam uma coisa: há frase mais linda do que essa? Ela capta o filme em toda sua essência e mostra, por si só, a mensagem passada em cada minuto que o assistimos.

Moulin Rouge 5

Related Posts

8 Responses to Pausa para Moulin Rouge

  1. Gabi Lima disse:

    Acredita que nunca consegui ver esse filme inteiro? Sempre acontece alguma coisa que me faz parar o filme no meio.
    Um dia ainda assisto ele na integra, pois só pelas partes que eu vi já fiquei muito interessada nele.

    Bjss*
    Gabi Lima
    http://livrofilmeecia.blogspot.com

  2. Eu nunca assisti Moulin Rouge, e olha que já vi ele passar na TV várias vezes. O problema é que é músical, e não sou fã muito desse gênero, acho meio chato as vezes, é bem da cultura americana esse tipo de trabalho. A fotografia desse filme é linda pelo que já vi, mas acho que não encaro.

    beijos!

  3. Parabéns pela dica Eduarda! Já assisti Moulin Rouge O Amor em Vermelho e amei! Um ótimo e romântico musical! Beijos!

  4. Eu amo Moulin Rouge de PAIXÃO! Esse filme é lindo demais.
    Aconselho a assistir o filme de mesmo nome de 1952, que apesar do mesmo nome não tem nada a ver com o Moulin Rouge de 2001, mas vale a pena ver por se passar no mesmo cenário e como sei que vc gosta de filmes antigos, taí a dica. 😉

    Beijos. ♥

    http://livrificando.blogspot.com/

  5. Anonymous disse:

    E tão lindo e maravilhoso este filme chorei tanto no final,simplesmente um dos meus preferidos do género Romance.

    Jayane.

  6. Ana Ferreira disse:

    Duda,
    O musical é lindíssimo mesmo, nem tem como não nos rendermos a ele com os seus comentários extramamente entusiasmados.
    Não sabia que ele tinha sido indicado ao Oscar mas, venhamos e convenhamos, “O Gladiador” foi um concorrente forte demais. Creio até que por fugir do romance, algo não tão comum nos vencedores da premiação.
    As imagens são lindas, o vermelho do amor, a paixão de Christian por Satine… Lindo, lindo!

    Beijinhos,
    Ana – Na Parede do Quarto

  7. Aione Simões disse:

    Odeio quando escrevo um comentário gigante e atualizo a página sem querer ¬¬

    Lá vou eu escrever tudo de novo hehe

    Duda, em primeiro lugar, parabéns! Que post incrível! Me deixou doida de vontade de assistir Moulin Rouge novamente!
    Esse filme é lindíssimo, cenas, música, história, tudo! Não consigo imaginar sendo protagonizado por outros que não o Ewan e a Nicole!
    Concordo com você sobre ele ter sido capaz de transmitir suas emoções em Your Song e também prefiro essa versão à original!
    A cena do elefante é mesmo linda e obra de gênio para juntar tantos clássicos do rock em uma só composição!
    É impossível não se emocionar com o filme e também sou muito mais ele a Gladiador!

    Parabéns de novo!

    Beijos!

  8. A única vez que eu vi esse filme, acho que tinha quatorze anos, e estava passando na tv. Cheguei a assistir o final. Mesmo não assistindo tudo, gostei. Depois disso nunca mais me passou pela cabeça assisti-lo.
    Seu post foi muito bem montado, Duda. Fiquei curiosa para assistir o filme, dessa vez, assistir de verdade.

    Bjs.
    paraisoempapel.blogspot.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *