MENU

by • julho 11, 2012 • ResenhasComments (38)3067

[Resenha] A Outra Volta do Parafuso, de Henry James

A Outra Volta do Parafuso começa naquele clima gostoso que precede as grandes histórias de terror. Tudo que ficaremos sabendo nas páginas seguintes é contado por um senhor muito rico que, certa noite, ao conversar com seus convidados sobre algumas histórias de terror, sentados ao redor de uma lareira, anuncia que há muitos anos tomou conhecimento do relato mais aterrador que já ouviu em sua existência. Todos ficam curiosos, obviamente. Algumas noites depois, o anfitrião pega as notas escritas pela protagonista da história que irá ser contada (uma antiga amiga), e começa a ler em voz alta para seus hóspedes.

“Porque a coisa é tão assustadora?” Ele continuava a olhar-me fixamente. “Vocês vão entender”, e repetiu: “Você, vai entender”.

Começa um relato em primeira pessoa de uma protagonista sem nome, intimamente ligada ao leitor através de um diário onde relata com minúcias os acontecimentos que precederam a sua estranha contratação para trabalhar em uma propriedade afastada da civilização, até a chegada à casa de campo onde irá trabalhar. Lá conhece os seus pupilos, duas crianças adoráveis e angelicais. Seus dias, porém, vão tornando-se menos sossegados, pois a sensação de uma presença macabra de certa forma ligada a mansão e às crianças, permeia e corrói aos poucos seus pensamentos.

Esta é, possivelmente, uma das narrativas mais ambíguas que já li. Com um texto elaborado inteiramente em primeira pessoa, só tomamos conhecimento dos fatos através do ponto de vista de uma narradora que em certos momentos entra em conflito consigo mesma através das suas divagações. O autor nos mostra o quão tendencioso esse tipo de narrativa pode ser, e nos deixa em dúvida durante todo o tempo sobre o que de fato está acontecendo na casa.

Os diálogos são incrivelmente bem construídos. Cada palavra e frase pode vir carregada de diversos sentidos diferentes e não sabemos ao certo o que tirar a partir dali – daí a ambiguidade do texto. É quase como um jogo, onde nenhum dos personagens se dá por vencido, em diálogos repletos de sentidos ocultos em que ficamos nos perguntando “o que ele quis dizer com isso?”. O leitor em certo ponto deverá tomar partido sobre o que acreditar; o sobrenatural nos deixará na dúvida: “ele existe ou não?”. Enquanto isso a situação vai caminhando para um clímax habilmente conduzido e aberto a diferentes interpretações.

“Uma vez imaginei reconhecer, tênue e distante, o grito de uma criança; em outra ocasião dei por mim assustando-me ao ouvir passar pela minha porta passos leves. Mas essas fantasias não eram tão nítidas que não pudessem ser descartadas, e é só à luz, ou talvez melhor dizendo, à treva de outras ocorrências subsequentes que elas agora me voltam à mente.”

O livro foi escrito no século XIX e por isso os diálogos podem ser um tanto floreados e mais formais para quem não está acostumado a esse tipo de escrita. Porém, em momento algum se torna de difícil interpretação, e pode ser lido sem maiores problemas. O clima de expectativa também ajuda muito para que continuemos fielmente a leitura, sempre na espera do que está por vir, de uma luz no fim do túnel que arranque enfim nossas dúvidas.

O autor teve uma ideia original quanto a elaboração do enredo para sua curta história de terror. A forma como o relato é construído e vai tomando forma aos poucos demonstra que ele precisou ser talentoso para não cometer nenhum deslize em relação ao propósito que visava atingir com a trama. Talvez não agrade a todos, fãs inveterados do gênero, mas da minha parte curti cada momento do terror psicológico.

Henry James sempre se esquivou dos questionamentos públicos em relação a esta história. Uma prova de que o que ele de fato queria era deixar tudo a cargo da interpretação de cada um. O autor, inclusive, em certa ocasião declarou a criação como sensacionalista, um livro feito para agradar aos leitores menos preparados para enfrentar as exigências de suas obras mais importantes – o que, ironicamente, tornou-se uma contradição, pois a estética necessária para a construção de tal enredo é de tamanho caráter artístico que este tornou-se um dos seus títulos mais importantes ao longo dos séculos, já tendo originado diversas análises e pesquisas em uma tentativa de desvendar o significado oculto entremeado no duplo sentido dos seus diálogos.

Título Original: The Turn of the Screw
Editora: Penguin Companhia
Número de Páginas: 200
Gênero: Clássicos/Suspense/Terror

Related Posts

38 Responses to [Resenha] A Outra Volta do Parafuso, de Henry James

  1. Oi Eduarda

    Nossa fiquei super curiosa, não conhecia esse título mas acho que é uma leitura que iria curtir, vai para a minha lista. Adorei a sua resenha!

    Bjus

  2. Jaqueline disse:

    Oi Duda!
    Nunca tinha ouvido falar de “A Outra Volta do Parafuso” , mais pela sua resenha posso ver que é um livro interessante. Acho legal narrativas que me deixam com dúvidas no decorrer do livro principalmente se forem em primeira pessoa como é o caso deste livro, já tinha ouvido falar do autor, Henry James, mas nunca tive a oportunidade de ler um de seus livros.
    Gostei muito da sua resenha , ela me deixou curiosa para ler o livro ^^

    Beijos.

  3. WilLDuarte disse:

    Oi Duda!
    Não lembro agora de conhecer nem o autor, nem a obra e mesmo que certos pontos do livro ressaltados por você na resenha tenham me interessado como, por exemplo, a ambiguidade nele, admito não ter me interessado tanto assim.
    Não lembro no momento de já ter lido algum terror, mas estou fazendo-o agora lendo Carrie, a Estranha, do Stephen King e até agora o livro tem me agradado bastante, mas não me despertado o apetite em ler outros livros do gênero rapidamente.
    Acredito que já seja pleonasmo comentar que a resenha ficou ótima, mas a resenha ficou ótima Duda! KKKKK’
    Abraço.

  4. Lili disse:

    Gente, esse parece ser um livrão! Nunca tinha ouvido falar, mas adorei a capa, o título desperta e a sua resenha me mostrou que ele é muito interessante.
    Achei legal a sua avaliação sobre as limitações de se conhecer a história em primeira pessoa.

    liliescreve.blogspot.com

  5. Lucas Martins disse:

    Duda, sempre tive muita curiosidade pra ler este livro. Eu tenho ele em ebook, mas ainda não me dei a oportunidade da leitura.
    Fico feliz que você tenha gostado dele, pois sempre vou pelas suas dicas e acabo gostando dos livros (pare de ler livros que me interessam, ok?)
    Achei linda essa edição da Penguin! É a mesma que você tem, Duda?
    Beijão!

  6. Olá
    A capa já me chamou a atenção, justamente por ter um ar meio misterioso. Não conhecia esse livro, nunca ouvi falar, mas confesso que a resenha me fez ficar com curiosidade. Nunca leio livros de terror, e não tem um motivo específico, já que amooo filmes do gênero.
    Adorei a dica e sua resenha está impecável.

    Beijinhos
    Daisy
    nuvemdeletras.blogspot.com

  7. Allê Kércya disse:

    Oi Duda!
    Ainda não tinha escutado falar sobre este livro e vou te confessar que apesar de ainda não ter lido muitas opiniões sobre ele eu fiquei com bastante vontade de lê-lo.
    Beijos!
    http://beyondofbooks.blogspot.com.br/

  8. Vanessa disse:

    Oinnn, que legal guria, eu adoro uma boa história de terror e nunca tinha ouvido falar neste livro, ele parece ser sensacional e é impossível não querer ler com certeza vou procurar saber mais sobre ele e se possível comprar logo hehe.

    Beijão

    Vanessa – http://balaiodelivros.blogspot.com/

  9. Lais Ribeiro disse:

    Não conhecia esse clássico, e apesar de não gostar de livros em que cada um entende o que quiser fiquei com vontade de conhecer mais sobre essa história.

  10. Oi Eduarda,
    Fiquei bastante interessada neste livro, gosto de histórias deste tipo.
    É a primeira vez que leio uma resenha deste livro e gostei muito.
    Bjos!
    Katielle
    http://www.leituramaravilhosa.blogspot.com.br

  11. Raíssa Lins disse:

    Nunca tinha ouvido falar desse livro, mas me parece algo bem interessante. Lendo sua resenha lembrei, inevitavelmente, de Dom Casmurro e as descrições totalmente parciais de um narrador-personagem. Adorei a resenha 🙂

    Beijos

  12. Me deixou bem curiosa a cerca de mais esse título, Duda!
    Desse gênero tenho lido pouco, mas acho que vou dar uma mudada nisso! ;oD

    beijinhos
    Paty

  13. Mey disse:

    Não lembro de já ter ouvido falar nesse livro. Mas a historia parece bem interessante, fiquei curiosa. As vezes é bom variar um pouco e ler um terrorzinho basico. Bjkss

  14. Oi Duda!

    Nunca tinha ouvido falar desse livro mas parece ser muito bom! Você já leu A menina que não sabia ler? Me lembrou um um pouquinho esse com a tendencia do autor nos deixar na ambiguidade por conta da narrativa em primeira pessoa.
    Agora não saquei o título “a outra volta do parafuso” (apesar de gostar muito) mas acho que lendo a história entenderia.
    Eu AMO suas resenhas, sério.

    Beijo!
    Brenda Lorrainy
    cataventodeideias.com

  15. Duda, sou um eterno “amante” dos filme de terror – apesar de fazer tempo que não vejo um – e por algum motivo demorei a ler um livro do gênero. Terminei o primeiro livro hoje, com a leitura de Allan Poe e se eu tinha dúvida de que esse gênero iria me agradar, essa dúvida sumiu. Você sabe que em livros de contos, nem todos são bons, mas isso não tira o mérito e tudo mais.
    Enfim, sobre o livro, achei a ideia bem interessante, principalmente essa forma como o autor conduziu a história – diferente, eu diria – e também os diálogos, que são tão importantes em uma história. Fica então a curiosidade de conhecer um pouco mais do trabalho do autor, que também não conhecia 😡

    Beijos, Duda. Parabéns pela resenha!
    Ricardo – http://www.overshock.blogspot.com.br

  16. Julia Cedro disse:

    Oi Duda,

    Eu ainda não tinha ouvido falar desse livro, mas nossa, do jeito que tu disse na resenha, fiquei super curiosa para ler.

    Beijos!

  17. Planet Pink disse:

    Oi Duda!!
    Esse é um dos livros que estão na minha lista pro desafio de 7 clássicos, mas até não saí do primeiro rs
    Não sou fã de histórias de terror, mas esse eu tenho muita vontade de ler, como você mesmo percebeu, deve ser mesmo um livro rico e bem construído.

    Beijão ! =)

  18. Oi, Duda!

    Ja faz um tempo que vi voce mostrar esse livro quando comprou (acho que foi na Cultura ou coisa assim) e daí fiquei curiosa. Mas vou confessar, não sou fã de thriller, apesar deste ser um clássico.
    Livros bem elaborados fazem bem à saúde 🙂 e um terror fica ainda mais atordoante quando o narrador é atordoado.
    Geralmente prefiro narrativas em terceira pessoa, mas acho que para suspense e terror, a primeira é mais adequada porque o leitor fica tão perdido quanto o personagem e aí gera a expectativa sobre quem confiar, em que acreditar, e a dificuldade em separar ilusão da realidade.

    Mas, entretanto, embora, todavia, eu não gosto de narrativas em formato de diário. Acho pobre :/
    Beijocas!

  19. Julia G disse:

    Ei Duda, eu já li outra resenha de uma leitora totalmente fascinada com A volta do Parafuso, e morri de curiosidade. Mas ela é meio excêntrica, então não sabia se podia confiar ;x
    Agora lendo a sua, pelo jeito, a história é mesmo instigante, fiquei com vontade de ler.

    Beijos

  20. Mônica disse:

    Oi Duda, este livro é muito bom! Eu li há muito tempo e nem lembrava mais da história, agora com sua resenha fiquei louca pra ler de novo.
    Adorei!
    Beijos

  21. jayane disse:

    Uau Duda,essa resenha me deixou muito curiosa mesmo,apesar de tem sido escrito a muito tempo o livro parece tem uma historia fascinante que prende os leitores até hj.

  22. Que título estranho e… Que sinopse envolvente! Rsrs…
    Com certeza darei uma lidinha no futuro! 😀
    Tenho post novo tb! Comenta?
    http://www.livroserabiscos.com/2012/07/stacey-jay-julieta-imortal.html

  23. Duda, parabéns pela resenha! Adorei, me deixou muito curiosa e fiquei morrendo de vontade de ler! Não conhecia o autor, mas gostei do pouquinho que fiquei conhecendo pela resenha! Estava mesmo procurando algum livro de terror pra ler, e acho que encontrei!

  24. Bom curiosa é pouco para definir como estou com relação a esse livro, tenho certo preconceito contra thriller, mas devo confessar que essa história me instigou e lerei concerteza!

  25. Camila Costa disse:

    livro de terror?! onde?! Ainda estou caçando algum que me de tipo muuito medo (tipo Estranha Presença)
    nunca tinha ouvido falar desse, realmente parece ótimo!
    Beijoo Duda!

  26. Aline Coelho disse:

    Não conhecia esse livro, mas gosto do gênero e fiquei bm curiosa e com vontade de ler. Parabéns pela resenha, mais uma vez.

  27. Ana Ferreira disse:

    Duda, achei tudo nesse livro meio macabro: a capa, o título, a premissa… E confesso que sou medrosa para livros/filmes/qualquer coisa de terror. Creio que tenho uma mente por demasiado imaginativa, daquelas que passa a acreditar piamente que gotas de água possam ser um fantasma. Às vezes heiuhieuheiuh
    Em contrapartida, gosto de livros que provoquem a dúvida e resultem em diversas análises. A ambiguidade, para um bom autor, é um dos recursos mais louváveis, intrigantes, irritantes e geniais. Desde que na medida correta.
    E acho que essa contradição do autor tinha jeito de estrelismo. Quase como: “elogiem meu livro que nem é tão bom assim”. Que autor resiste a receber confete do seu público, não?
    Sua resenha ficou ótima!
    Beijo!

  28. Oi Duda!
    Caramba, este livro parece incrível. Sinceramente, acho que nunca li uma obra ambígua – ou pelo menos, não quanto esta parece ser. Acho que eu ficaria muito intrigada com a narrativa.
    Geralmente estes livros mais clássicos tem mesmo uma linguagem um pouco mais formal, mas eu geralmente acabo acostumando com o ritmo do livro durante a leitura, então isso as vezes não influencia tanto. Mas isso só na maioria, pois já li alguns outros em que a linguagem deixou a trama mais cansativa para mim.
    Bom, gostei bastante do que este livro parece ser, com certeza leria!

    Beijos.

  29. Adorei o livro, apesar de não gostar muito de livros clássicos, pois na maioria a linguagem é bem formal, mas tirando isso, estou muito curiosa para lê-lo.
    Bjks!

  30. Oie Duda!
    Adorei essa capa do livro, esse ar de mistério. Mas apesar da sua resenha, ele não me interessou no momento, acho que estou meio na fase “era medieval”, então quando eu estiver na fase mistério, terror, acho que irei me interessar muito mais deste livro =D
    Mas adorei a resenha 🙂
    Beijos

    Ana Magiero
    Garota Sonhadora Em Livros

  31. Oi,
    Não conhecia esse livro nunca tinha ouvido falar dele…primeiro por esse titulo nunca ia pensar que era um livro de terror estranho isso…segundo terror psicologico realmente e o que mais me chama atenção visto que nossa imaginação sempre voa longa…porem se o autor deixa várias deixas para as pessoas interpretaremc omo quiserem bem não sei se isso me agrada muito…
    Bjkss
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com/

  32. Kazake disse:

    Apesar da capa ser simples, eu gostei bastante, acho que vou ler só por conta disso. É dificil eu me agradar com capa simples assim.

  33. Oi Duda!

    Eu não me lembro de ter lido alguma história de terror. O livro que chegou mais próximo disso acho que foi A Menina que Não sabia Ler. Ele me assustou um pouco, mas não chegou a me dar medo mesmo. Pretendo ler um livro assim um dia, não sei quando pois sou meio medrosa, mas lerei.
    Gostei bastante da sua resenha!
    Acho essas publicações da Penguin lindas! haha

    Beijos,
    Carol.

  34. Oi Duda!

    Eu não me lembro de ter lido alguma história de terror. O livro que chegou mais próximo disso acho que foi A Menina que Não sabia Ler. Ele me assustou um pouco, mas não chegou a me dar medo mesmo. Pretendo ler um livro assim um dia, não sei quando pois sou meio medrosa, mas lerei.
    Gostei bastante da sua resenha!
    Acho essas publicações da Penguin lindas! haha

    Beijos,
    Carol.

  35. Olá Duda, confesso que nunca vi esse livro ou ouvi falar, mais o achei bem interessante, a história parece ser bem envolvente, eh bom curtinho e parece valer a pena o ler.

    Adorei a resenha e fiquei bem curiosa, parabéns.

  36. Isa Vichi disse:

    Ooooi!! Acabei de ler o livro! Gostei muito! Mas queria sua opinião sobre o final do livro!! Ficaria muito feliz se me respondesse! Tenho um canal no youtube, se tiver interesse, passe por lá! Canal: LidoLendo
    Se puder discutir sobre o livro, aguardo seu e-mail: lidolendo@gmail.com
    Beijinho e obriagada! ISA!

  37. Oi Duda,
    Dps dos seus comentários na resenha de “A menina que não sabia ler”, vim conferir esta resenha.
    Se eu soubesse da ambiguidade desde o inicio da leitura, eu não teria me sentido tão enganado. Mas achei que foi mto de surpresa essa ambiguidade, por isso não gostei.
    Para ser sincero, agora fiquei com vontade de ler A Outra Volta do Parafuso. Da maneira com vc expos, o livro realmente parece ser interessante.
    E tbm fiquei na dúvida se as perguntas que me fiz em “A menina que não sabia ler” não poderiam ter alguma resposta em “Outra volta do parafuso”.
    Abraço,
    Alê
    alemdacontracapa.blogspot.com

  38. O livro é incrível e, para mim, está claro que foi a inspiração para “A menina que não sabia ler”. O filme também é ótimo e um dos raros casos em que a adaptação supera a obra original (para quem está curioso: http://portugues.free-ebooks.net/ebook/A-Outra-Volta-Do-Parafuso).

    bom trabalho com resenha! (:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *