MENU

by • julho 3, 2012 • ResenhasComments (34)4161

[Resenha] Serial Killer, Louco ou Cruel?, de Ilana Casoy

No mínimo, desconcertante, Serial Killer, Louco ou Cruel? é um não-ficção que conta em detalhes alguns dos casos mais famosos do mundo, passando por todo o processo investigativo, desde o passo a passo da pistas encontradas e listas de suspeitos, até a captura e biografia do assassino.

A primeira parte se dedica a mostrar aspectos gerais e características dos Serial Killers pelo mundo: porcentagens, psicologia, termos, etc. Esta primeira etapa, apesar de interessante, é bem introdutória e por isso um pouco repetitiva para quem já conhece algo sobre o assunto, mas recomendada para aqueles que nada sabem sobre ele e até para elaborar uma visão mais ampla sobre o que será aprofundado nas páginas seguintes. Porém, é na segunda parte que o livro realmente pega ritmo, quando passa a ser separado por casos sobre algumas das mentes mais doentias que já povoaram a Terra.

Comprei este livro em 2008, e ao dar início a leitura naquela época, achei-o tão forte e pesado que me faltou coragem para continuar. Só agora, quatro anos depois, consegui terminá-lo. Os relatos contidos em suas páginas não são para qualquer estômago e faixa etária. Ao contar cada caso específico ele nos fala um pouco sobre a vida das vítimas, o que estavam fazendo quando foram capturadas, e detalha todas as atrocidades a que foram submetidas, desde torturas com facas, estupros, decapitações, até sexo com o seu corpo morto e sem cabeça. Parece horrível, mas consegue ser ainda pior por tratar-se de histórias reais; tudo é verídico, cada pormenor relatado, e ter em mente que aquilo aconteceu com outras pessoas é extremamente perturbador.

Não foram poucas as vezes em que tive que parar para respirar mais fundo, tomar fôlego e só então prosseguir na leitura, mas dessa vez em nenhum momento senti vontade de interrompê-la. Falar sobre assassinatos tão bizarros e premeditados é um assunto que exerce certo fascínio na mente humana: conhecer os pormenores de uma mente psicótica e até onde o ser humano é capaz de ir – se é que existe algum traço de humanidade dentro dessas pessoas. Muitos, inclusive, como exemplo da autora do livro (que é brasileira), se especializam no assunto, e são chamados para prestar serviços de consultoria na elaboração de perfis criminais para a polícia.

Os casos são dos mais variados. Alguns até já conhecemos de tão famosos, outros influenciaram personagens da literatura e cinema a exemplo de Ed Gein, que inspirou a criação do livro Psicose, adaptado para os cinemas por Alfred Hitchcock. Gein era popularmente considerado estranho, porém pacífico. Ninguém imaginava as atrocidades que poderiam ser encontradas dentro de sua casa, como móveis e roupas feitos inteiramente de pele humana, e até máscaras mortuárias que ele fazia ao extrair a face das pessoas que assassinava para depois usá-las em si.

A maioria dos assassinos mostrados eram pessoas consideradas extremamente normais, muitos deles, inclusive, participavam ativamente da sociedade como exemplos a serem seguidos – apenas por fora, obviamente. Suas outras faces eram a de verdadeiros monstros, sendo um dos mais conhecidos de todos o famoso Ted Bundy, considerado um cidadão acima de qualquer suspeita, com o detalhe que utilizava o seu tempo livre para torturar e matar jovens adolescentes. Ted exalava tanta confiança que ao ser realizado um retrato falado do homem mais procurado do momento, os seus colegas de trabalho brincavam sobre o quanto os dois se pareciam um com o outro. Seria engraçado, se não fosse trágico.

Serial Killer, Louco ou Cruel? é um prato cheio para quem se interessa pelo assunto. Ao todo são 16 casos, facilmente considerados verdadeiros filmes de terror da vida real. O leitor conhecerá desde Albert Fish (o vovô que comia criancinhas) a Andrei Chikatilo, mais conhecido como The Mad Beast. Sim, é um livro perturbador, mas ao mesmo tempo extremamente interessante, resultado de uma pesquisa ricamente elaborada pela autora, além de prestar certo serviço ao nos informar algumas da artimanhas utilizadas por diversos agressores na captura de suas vitimas; alguns conseguiram escapar da morte ao não cair nas armadilhas dos predadores; muitos, entretanto, não tiveram a mesma sorte.

“Nós, serial killers, somos seus filhos, somos seus maridos, estamos em toda parte. E haverá mais de suas crianças mortas no dia de amanhã. Você sente o último suspiro deixando seus corpos. Você está olhando dentro de seus olhos. Uma pessoa nesta situação é Deus!…” – Ted Bundy

Título Original: Serial Killer, Louco ou Cruel?
Editora: Ediouro
Número de Páginas: 352
Gênero: Não-ficção

Related Posts

34 Responses to [Resenha] Serial Killer, Louco ou Cruel?, de Ilana Casoy

  1. Julia G disse:

    Nossa Duda, só de ler sua resenha já sinto meu estômago embrulhar. Não gosto desses livros que mostram o lado mais podre dos homens, mas não tem como negar que me deixa curiosa para tentar entender que tipo de pensamento lunático se passa em pessoas assim.

    Beijos

  2. Maíra K. disse:

    Adoro essa temática! Talvez, pela sua complexidade e por ser uma via de mão dupla. Minha monografia de graduação em Direito foi quase isso, falei da doença mental (que possuem um significado amplo para o Direito e, para os psiquiatras, só é a psicose pura e simplesmente). Não deu para entrar na parte das psicopatias, infelizmente. Acho super válido se aprofundar nisso!

    Tem outros livros que eu ainda não li nessa mesma temática: “Vamos falar sobre o Kevin?” e “O hipnotista”. E, ainda, sobre a questão de manicômios tem “O alienista” de Machado de Assis. rs

    Me empolgo fácil!

  3. Raíssa Lins disse:

    Não sei muito bem o que comentar… Sou impressionável e acho que não lerei esse livro, tipo, nunca. Mas mesmo assim dá uma curiosidade, né? Posso ler algum outro livro menos “detalhado” sobre os casos, afinal é muito intrigante essa coisa de mente psicopata…

    Beijos

  4. Aione Simões disse:

    Nossa, Duda!
    Fiquei muito curiosa pela leitura! Ela realmente parece ser perturbadora, mas inegavelmente interessante.
    Sua resenha está excelente, como sempre!
    Não sabia que Psicose era baseado em uma pessoa real!
    Beijão!

  5. Pabline disse:

    Olá Duda!
    Faz tempo que não passo por aqui…

    Certo, esse livro me interessou bastante, deve ser porque peguei pra assistir DEXTER e tô amando hihi
    Muito interessante porque tem como base casos reais, que medo!
    Realmente fiquei curiosa 😀

    Bjão flor!

    -Amigas Entre Livros-

  6. Fiquei meio assustada com o livro, mas MUITO curiosa. Eu sempre adoro livros de crime e mistério então querendo ou não também isso se transporta para eventos que também aconteceram, embora meu estomago não seja muito forte nesses sentidos :s
    Adorei a resenha!

    Beijo,
    Brenda Lorrainy
    cataventodeideias.com

  7. Dany disse:

    Gostei muito da sua resenha, com certeza esse é um dos livros que quero ler e muito.
    Gosto muito disse, desse lado psicopata de algumas pessoa, acho o tema super chamativo e envolvente. Pq ao mesmo tempo que a gente não quer ler, bate aquela vontade de saber o que realmente aconteceu.
    Amei sua resenha e vou adicionar esse livro em minha lista.
    Bjos…

  8. Duda, para começar, tenho estômago fraco, por muito pouco já me sinto toda agoniada e vou dando intervalos de 1 minuto (fecho o livro, respiro e continuo a ler).

    Assassinatos me deixam indignada e mais ainda quando são elaborados de acordo com o capricho dos assassinos, algumas coisas me deixam perto de revoltada com a capacidade do ser humano.

    Acredito que é um livro interessante, temática forte e fatos reais [faz sua mente trabalhar tipo “isso aconteceu mesmo”], mas por enquanto acho que me sinto mais segura evitando estes tipos de leitura, rs.

    Mas, olhando pelo lado da autora, deve ser uma área de especialização fascinante.

    Gosto de livros “jornalísticos” [espero que eu não esteja errada por classificá-lo assim].

    Beijocas!

  9. Luara Cardoso disse:

    Oi Duda!
    Me desculpe pela ausência, viu? Mas agora eu voltei a comentar direito nos blogs, finalmente.
    Mas enfim, vamos falar sobre o livro.
    Sempre achei a temática “serial killers” muito interessante, apesar de ser forte. Como você disse, o ser humano quer saber o que tem por trás de uma mente tão maligna assim, e é por isso que esse tema faz tanto sucesso – seja em qualquer indústria.
    O que eu mais gostei nele é que se tratam de casos que realmente aconteceram! Uau! Pelo o que você falou (ainda estou assustada com o sexo praticado com um corpo sem cabeça), deve ser bem forte mesmo. Mas eu gostei, gostei mesmo.

    Um beijo,
    Luara – Estante Vertical

  10. Fran Moraes disse:

    Hello tem um meme pra você no meu blog, espero que goste *—*

    Link: http://sociedadedasleitoras.blogspot.com.br/2012/07/meme-seu-blog-e-divo.html

    Beijos Fran

  11. jayane disse:

    Nossa super me interessei pelo livro,sou fascinada por esse tema apesar de ser bem tenso de ler essa frase era o que me faltava para colocar na minha lista.

  12. Duda, claro que não tem comparação, mas o que encontrei quando pesquisava assuntos para a série “Psicopatas & Serial Killers” dá uma resumida do que é possível encontrar no livro. Essa pesquisa também foi necessária na construção de um personagem do primeiro romance que escrevi, ainda assim é perturbador imaginar que pessoas capazes de atrocidades realmente existem em nossa sociedade e não apenas na literatura/cinema.
    Um livro como esse tem muito a ensinar e sinto que deveria ser lido por todos, ainda que existam detalhes fortes. Pode alertar dos perigos.
    Vi sobre esse livro em algum lugar, mas não lembrava o nome. Agora coloquei na estante do Skoob pra não ter perigo de perder – porque você sabe que não poso ficar sem ler, né? rs
    Ah, preciso comentar sobre a frase do Ted Bunky. Quando pesquisei sobre ele e me deparei com essa frase ela me marcou e sempre que falam sobre o assunto, me lembro dela. Ele é um serial killer e define, talvez melhor do que ninguém, como eles realmente são. Não encontrei uma definição mais clara do que essa.

    Ah, mudando de assunto. Minha paixão pela Itália, mais precisamente por Roma, é algo inexplicável. Tenho muita vontade de conhecer a cidade – não mais do que tenho vontade de conhecer a cidade “que minha história começou” kkk
    Enfim, quando conheci Para Roma com Amor já sabia que precisava assistir, mesmo que não fosse tão bom como eu poderia esperar. Com algumas críticas e a sua opinião, tenho a certeza de que é mais do que necessário assistir. Será uma experiência agradável, principalmente ver esses pontos turísticos.

    Beijos, Duda, e parabéns pela resenha fantástica. Vou ler esse livro e assistir ao filme o quanto antes 😀

  13. Caroline disse:

    Nossa, fiquei sem fôlego só com a resenha, imagine com o livro! Eu curto bastante essa temática, pois sou fascinada em tentar compreender sobre a mente humana, adoro debater sobre essas coisas. Gosto de assuntos que o que mais prevalece entre as pessoas são as suas opiniões bem divergentes, pois não há nada de mais sem graça em tentar manter um assunto em que todos compartilham de uma mesma ideia. As divergências criam polêmicas e eu adoro debatê-las.

    Beijos
    http://www.carolinecuri.blogspot.com

  14. Tha'li disse:

    Nossa!
    Muito interessante. É verdade que temos uma curiosidade sobre tragedias.
    Vou dar uma olhada.

  15. Aline Coelho disse:

    Nossa que resenha complexa e interessante.
    Confesso que esse não é tipo de livro que eu goste de ler, mas como vc demonstrou ele é no mínimo curioso!!!!

  16. Oi flor,
    Nossa ai ui…apesar de achar super interessante o tema não sei se teria estomago para ler como vc citou . deus oh livre essas pessoas são bem mais que loucas como conseguem fazer certas coisas cruzes credo…affs…não sei se encaro não….
    bJKS
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    http://leiturakriativa.blogspot.com/

  17. Clara Beatriz disse:

    Eu tenho apenas 14 anos, e acho melhor que eu não leia esse livro. Deve ser algo extremamente negativo pra minha mente. Gostei da sua resenha. Bem clara. maravilhosomundodetinta.blogspot.com.br

  18. Livros que contém sangue e assassinatos com certeza não são os meus preferidos (tirando os que envolvem zumbis e vampiros, é claro, rs).
    A realidade de um serial killer com certeza não é uma das mais belas a ser retratada, mas se o autor o conseguir, deve se sentir privilegiado.
    Parabéns pela resenha, mas provavelmente não vou ter estômago para lê-lo (por enquanto).

  19. Jaqueline disse:

    Oi Duda,
    Livros como esse normalmente geral muita curiosidade nas pessoas , porque como você disse muitos querer descobrir como funciona a mente de um “serial killer” e eu sou umas dessas pessoas mais acho que não estou na faixa etária apropriada para a leitura desse livro e eu já me assustei com a resenha imagine se eu ler o livro, mais só pela sua resenha posso perceber que essa seria uma ótima leitura e assim acho que vou ver se consigo esse livro mais não irei ler ele agora vou esperar um tempo ai eu leio.

    Beijos.

  20. Lucas Martins disse:

    Adoro livros assim, Duda, livros com relatos reais envolvendo crueldade e serial killers. Eu comecei a ler Mentes Perigosas que fala sobre psicopatas e só não terminei porque era emprestado enquanto eu estava de férias na praia.
    Esse tipo de leitura perturbadora vale a pena para vermos o quanto somos fortes para essas coisas que são tão reais e acontecem tão próximas da gente.
    Achei interessante as citações que você fez em sua (ótima) resenha, Duda. Sempre adoro pesquisar sobre esses casos de psicopatia (até quando li Viva para Contar que tinha uma citação do caso do BTK – Bind Torture Kill)
    Enfim, me interesso muito pela leitura! Tu acredita se eu disser que vi o livro ontem mesmo num sebo? Me arrependi de ter passado reto por ele, rsrs
    Beijão!

  21. Allê Kércya disse:

    Ótima resenha!
    Gosto bastante de livros com essa temática. O melhor é quando você fica tentando descobrir o que tem por trás dos personagens e chega no final na maioria das vezes não é o que você imaginava ser.

    http://beyondofbooks.blogspot.com.br/

  22. WilLDuarte disse:

    Oi Duda!
    Uau, deve ser extremamente perturbador ler esse livro, mas como você disse, isso acaba gerando um certo fascínio e curiosidade nas pessoas. Eu, por exemplo, já estou super curioso para ler o livro e conhecer mais sobre esses terríveis casos. Esse deve ser um livro muito estranho de se ler, afinal, tudo que está nessas páginas realmente aconteceu com essas pessoas.
    Fiquei bastante curioso em ler o livro e acho que vou procurá-lo para comprar!
    beijão Duda!

  23. Oie Duda!
    Nossa que livro forte esse. Não é para qualquer um ler ele, parabéns por ter conseguido.
    Acho que não teria estomago para isso, se bem que gosto de algumas estórias de serial Killer, mais já esse livro acho que teria muito tempo, para criar coragem e começar a ler.
    Adorei a resenha!
    Beijos

    Ana Magiero
    Garota Sonhadora Em Livros

  24. Oi Duda!
    Depois que li, aos 17 anos o livro Brasil Nunca Mais, que descreve com requintes as torturas a que os nossos presos políticos sofreram durante a ditadura, eu me prometi que não leria mais nada nesse estilo, mexeu demais comigo e só agora, aos 39anos, é que consegui assistir aos filmes tropa de Elite.
    Esse eu vou passar… rs

    Xerinhos
    Paty

  25. Ana Ferreira disse:

    Duda, esse último trecho que você escolheu para ilustrar a resenha foi, no mínimo, perturbador. Creio que todo o livro em si.
    Particularmente falando, como muitos outros leitores, não tenho certeza da minha capacidade de ler algo tão macabro e, pior, verdadeiro. Sempre que vejo essas histórias na TV ou leio algo em jornais, já fico naturalmente perturbada.
    E não há como negar que, você bem o disse, o ser humano tem um apreço vil por esse tipo de tragédia. É cruel, mas acho que faz parte da essência curiosa em saber o que se passa por detrás de mentes tão insanas.
    De minha parte, como a Paty, também passo. hahaha
    Beijos1

  26. Perturbador, desconcertante… fiquei super interessada! Não conhecia, mas adoro terror psicológico, serial killers, ainda mais quando traz coisas reais! Já foi pra minha listinha de desejados do skoob – que não para de aumentar!

  27. Lais Ribeiro disse:

    Antes mesmo de começar a ler sua resenha parei pra pensar na pergunta que o titulo do livro trás: Serial Killer, Louco ou Cruel? Pra mim é uma mistura de ambos. Já li um livro com temática parecida, O Zodíaco, e foi uma das experiências mais aterrorizantes que já tive por não conseguir me desconectar da história, por torcer pelas vítimas mesmo sabendo que não havia mais chance…

  28. Tbm li o livro há uns dois anos e lembro que gostei bastante. O início é bem introdutório mesmo, mas para quem não tem mta noção do assunto, como era o meu caso, foi bom.
    E se vc gosta da tematica aproveito para indicar o livro “Mentes Perigosas” da Ana Beatriz Barbosa, que analisa os psicopatas. O considero um dos melhores livros sobre o assunto.
    Abraço,
    Alexandre
    http://www.alemdacontracapa.blogspot.com

  29. Uau, como vc mesmo falou me faltou o ar ao ler esta resenha, já vi alguns documentários sobre serial killers e já li muito sobre eles tbm, principalmente os brsileiros. Gostei bastante da idéia de reunir não só as histórias das vitimas e dos killers, mas tbm de apresentar um pouco esse mundo macabro de uma forma técnica e detalhada, vou tomar coragem mais quero ler sim esse livro.

  30. Adorei!
    Quando leio a suas resenhas eu já começo a ficar superentusiasmada para ler os livros, mas vou te confessar que eu não gosto muito de livros que mostram a parte pobre do homem, mas eu vou me esforçar para tentar lê-lo (rsrs).
    Bjks!

  31. Gostei da sua resenha… Porem esse livro não
    me agradou muito, já li um livro com a tematica parecida, sobre serial killers e fiquei apavorada com a leitura e prometi nunca mais ler livros assim…

  32. Kazake disse:

    Essa temática é muito interessante, gostaria de ler o livro. As vezes pode parecer bem pesado, mas não sei, é algo que é bacana para uma leitura =]

  33. Nossa o livro deve ser bem chocante e uma leitura bem interessante, porém por contar detalhes de crimes violentos e que são verídicos não sei se conseguiria lê-lo até o fim. Mais de qualquer maneira adorei a resenha, quem sabe eu ainda o leia.

    Parabéns resenha ótima.

  34. Duda, só em ler a sua resenha eu já fiquei arrepiada. Definitivamente não estou preparada para ler algo desse tipo. Me interesso pelo assunto, mas acho que o livro vai além dos meus limites. Se não fosse por isso, o leria com certeza.
    Adorei sua resenha, dudinha!

    Beijos,

    Carol.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *