MENU

by • agosto 1, 2012 • ResenhasComments (31)3279

[Resenha] Almanaque da Música Pop no Cinema, de Rodrigo Rodrigues

A amante de música e cinema em mim dançou alguns pulinhos quando primeiro segurou este livro em mãos. Repleto de imagens mostrando as cenas de vários filmes inesquecíveis, Almanaque da Música Pop no Cinema é lindo e muito bem diagramado, além de trazer diversas curiosidades musicais sobre alguns dos maiores sucessos existentes.

O livro começa fazendo uma rápida introdução de como a música pop foi surgindo nas telonas, e o quanto ela aos poucos foi tornando-se imprescindível na produção de qualquer filme que se preze, atingindo o seu “boom” nos anos 80, década responsável pela grande consolidação do ritmo pop nos cinemas. Ao virar as páginas vamos acompanhando cada um dos destaques, sempre com uma breve sinopse do filme em questão, seguida da explicação de como foi desenvolvida cada trilha sonora, traçando um elo entre ambos, roteiro e música, com a tracklist completa do filme ao final.

Impossível passar as páginas sem cantarolar cada um dos mega hits que marcaram época e representaram gerações. Nos perguntamos até que ponto a trilha sonora contribuiu para alavancar o sucesso da película ou vice versa. Cada caso pode ser avaliado separadamente, mas uma coisa é clara, a escolha da música certa em determinado filme é um dos aspectos mais importantes a serem considerados, muito mais do que imaginamos à primeira vista.

A música consegue trazer maior deslumbramento a uma cena, escutá-la no momento crítico pode ser crucial para efetivamente nos passar toda a emoção pedida no momento. A soundtrack ideal consegue nos deixar arrepiados e com lágrimas nos olhos sejam elas de alegria ou tristeza. É uma experiência sensorial única, responsável por alçar o filme a uma outra dimensão. Não apenas vemos o filme, nós também o sentimos.

Quem ao escutar a inesquecível (I’ve had) The Time of My Life consegue não associá-la no mesmo instante ao filme Dirty Dancing, grande sucesso dos anos oitenta? Ou ao ouvir a Pretty Woman, de Roy Orbison, não lembra imediatamente do filme Uma Linda Mulher? Que por sinal tem exatamente o mesmo título do longa em inglês. O filme inclusive, originalmente se chamava Three Thousand (Três mil), em uma clara alusão ao valor da oferta feita pelo bilionário Edward para contratar os serviços da linda mulher do título, mas a identificação com a música foi tamanha que teve o seu nome modificado. Para melhor, sem dúvida.

Essa é apenas algumas das inúmeras curiosidades que vamos descobrindo, embalados por ilustrações e hits cantantes. O livro é praticamente uma espiada por trás dos bastidores com várias informações adicionais; ficamos sabendo, por exemplo, que originalmente o Hugh Grant disse que não cantaria na comédia romântica “Letra e Música”, só que durante as filmagens foi adquirindo tamanha confiança que declarou: ‘assumiria o vocal’, e aparece cantando em várias cenas, inclusive no show final, a romântica Way Back Into Love.

Seria perfeito, se não por um porém: a falta de revisão no texto. Começou apenas com um erro de pontuação aqui e ali, vírgulas a mais ou a menos, um pouco chato pois às vezes era necessário reler para que a frase fizesse sentido, mas nada que interferisse tanto assim. O problema maio foi quando esses erros foram aumentando consideravelmente, tornando-se afirmações completamente sem sentido, como por exemplo:

“… mas quem ficou com a vaga e acabou sendo indicada ao Oscar de melhor atriz em 1994 pela intensa performance foi a competente e sarada Angela Bassett. Porém ela teve mais sorte no Globo de Ouro, vencendo na categoria melhor atriz de musical ou comédia.” (Parte extraída do meio do texto sobre o filme “Tina”). Agora vejam o que aparece logo a seguir, com destaque em maiúsculas na página: “Oscar de melhor atriz em 1994 pela intensa performance foi para a competente e sarada Angela Bassett.” Afinal, ela ganhou ou não ganhou? Em uma pesquisa na internet descobri que não ganhou.

Contradições, erros gramaticais e informações errôneas (como o Titanic ter afundado em 1910), são facilmente encontrados no texto, o que foi me causando um crescente descontentamento, afinal, não sou professora de português, cometo meus próprios erros e ainda assim consegui encontrar vários. Não vou colocar todos aqui pois realmente não há necessidade – nem sentido – mas é uma pena que uma obra tão interessante e bem diagramada tenha sofrido por uma coisa tão fácil de ser resolvida.

Probleminhas à parte, nada disso tira a diversão de quem gosta mesmo do assunto. Se você é amante da cultura pop e adora um bom cineminha, este livro é um grande presente e claramente o resultado de muito tempo de pesquisa por parte do autor, que é também músico e criador da banda Soundtrackers (sugestivo, não?). Foi pesquisando trilhas para o grupo que Rodrigo foi montando aos poucos esse Almanaque.

Para Entrar No Clima!

Para descontrair resolvi colocar aqui algumas das minhas TOP favoritas soundtracks. É realmente difícil escolher e nem metade irá entrar, mas eis algumas que eu consegui lembrar:

  • You’ll Be In My Heart – Phill Collins (Tarzan)
  • I Don’t Want to Miss a Thing – Aerosmith (Armageddon)
  • Beauty and the Beast – Celine Dion, Peabo Bryson (A Bela e a Fera)
  • A Whole New World – Peabo Bryson, Regina Belle (Alladin)
  • My Heart Will Go On – Celine Dion (Titanic)
  • (I’ve Had) The Time of My Life – Bill Medley e Jennifer Warnes (Dirty Dancing)
  • Pretty Woman – Roy Orbison (Uma Linda Mulher)
  • It Must Have Been Love – Roxette (Uma Linda Mulher)
  • She – Elvis Costello (Um Lugar Chamado Notting Hill)
  • Iris – Goo Goo Dolls (Cidade dos Anjos)
  • What a Feeling – Irene Cara (Flashdance)
  • Twist and Shout – The Beatles (Curtindo a Vida Adoidado)
  • Have You Ever Really Loved a Woman – Bryan Adams (Don Juan)
  • Everything I Do, I Do It For You – Bryan Adams (Robin Hood)
  • Take My Breath Away – Berlin (Top Gun – Ases Indomáveis)

E todas as outras de musicais como: Moulin Rouge, O Fantasma da Ópera, Mamma Mia, entre outros.

Isso sem contar as maravilhosas e emocionantes músicas instrumentais que dão arrepios só de lembrar e proporcionam tamanha identidade a um filme.

Título Original: Almanaque da Música Pop no Cinema
Editora: Lua de Papel
Número de Páginas: 216
Gênero: Cultura pop
Cedido em parceria com a Lua de Papel

Related Posts

31 Responses to [Resenha] Almanaque da Música Pop no Cinema, de Rodrigo Rodrigues

  1. Lucas Martins disse:

    Este livro é uma junção de duas coisas que eu adoro: cinema e música. Você sabe o quanto eu gosto de cinema, então sabe que essa leitura me interessa imensamente.
    Antes de você mostrar o livro, eu nunca tinha nem ouvido falar, agora que quero, tomara que tenha numa livraria, pois nunca vi também.
    Pena que faltou revisão, né? Essa questão dos erros gramaticais e falta de pesquisa (informações incorretas).. Realmente uma pena, pois é um livro com muito potencial!
    Beijão, Duda (adorei, como sempre, a resenha!)

  2. WilLDuarte disse:

    Ei Duda!
    Vi um pouco do livro quando você mostrou ele na caixinha do correio e já deu para perceber o quão lindo e bem diagramado ele é. E imagino que também deve ser super interessante lê-lo, principalmente para quem curte cinema e música.
    É impressionante como em certos casos os dois parecem se fundir em um só, como no exemplo que você mesma citou do filme Uma linda mulher com a música Pretty Woman.
    Gostei muito da resenha Duda, só me deixou mais curioso para ler o livro. É só uma pena que tenha esse problema com a falta de revisão no texto. Beijão!

  3. Verdade, nada como uma boa trilha para marcar o filme. Que pena que teve esses erros, falha da editora que não deu tanta atenção a revisão e do autor na hora da pesquisa.
    Com certeza é um bom presente também, se eu pudesse compraria todos esses almanaques que vejo por aí.

  4. Lais Ribeiro disse:

    Apesar de gostar do tema não compraria um Almanaque da Música Pop no Cinema por não ser muito o meu tipo de leitura. Mas fiquei bem curiosa pra ler mais sobre o assunto, apesar de que os erros que você citou terem me deixado um pouco com um “pé atrás”. São vários os filmes em que eu penso na trilha sonora pra depois pensar na história do filme, como por exemplo, O Guarda Costas e mais recentemente Footloose.

  5. Oi Dudinha!
    Como já disse na sua caixinha de correio, não é o tipo de livro que me interessa muito, mas achei ótimo para aqueles que gostam do tema como você. Infelizmente é muito ruim lermos um livro que nos informa fatos errôneos, acho que este livro precisaria de uma outra revisão, já que não parece assim tão difícil notar os erros.
    Quanto às suas soundtracks preferidas, tem muitas muito boas! E acabei me lembrando de uma que gosto mundo, do filme Um Lugar Chamado Notting Hill, When You Say Nothing At All. Desde que ouvi a primeira vez enquanto assistia ao filme me apaixonei e fui correndo procurar para baixar! Outra que adoro é Iris, linda demais!

    Beijos Duda!

  6. Mey disse:

    Gosto de musica, sou musicista mas não sou ligada em livros que falem disso, vai entender, né???? Bjksss

  7. Kazake disse:

    Ahhhhhhhhh as músicas que você escolheu são lindas, gosto de todas. A do Tarzan então, tão fofa ><

  8. cristiane disse:

    Essa lista tem um monte de músicas que eu amo!! Adorei *-*

  9. Aione Simões disse:

    Duda, eu amei!
    É uma pena mesmo que tenham pisado tão feio na bola com relação à revisão, o livro parece ser incrível!
    As curiosidades devem ser ótimas, não sabia que o Hugh Grant não cantaria inicialmente! E as músicas realmente são muito importantes, vi uma vez uma mesma cena, mostrada com duas diferentes músicas. O efeito de cada uma foi totalmente diferente!
    E essa sua lista final, então? Só a da Roxette que eu não conheço, de resto eu amo todas!!
    Adorei, querida!
    Beijão!

  10. Raquel Gomes disse:

    Oi Duda eu folheei esse livro na cultura e adorei, achei bem lindo. Fiquei bem curiosa de ler pois musica e cinema são uma das minhas paixões. Quanto aos erros é tão triste, vou ficar de olho neles quando for ler, como boa estudante de letras já tenho mania de procurar erros,imagina depois de ler sua resenha vai ser impossível não reparar neles.

    beijos 🙂
    ummundodecomentarios.blogspot.com.br/

  11. Jaqueline disse:

    Oi Duda!

    A primeira vez em que eu vi esse livro foi na sua caixinha do correio e já fiquei apaixonada por ele^^
    Confesso que fiquei muito decepcionada com a falta de revisão no texto, mas ainda assim música, cinema e leitura são a minha paixão^^
    Então acho que esse livro vai ser a minha próxima compra.

    Beijos.

  12. jayane disse:

    Adoro essa coisa que falam de cinema musica curiosidades como foi feito o filme,pena que nesse almanaque ficou tão evidente os erros de ortografia e concordância.

  13. RUDYNALVA disse:

    Eduarda!
    Nossa! Esse almanaque é um sonho…e me parece bem completo.

    E mais um mes chegou… que alegria! Vim desejar paz e muito amor no coração! Desejo um mes repleto de realizações e muitas notícias felizes!

    “Nós somos o que fazemos repetidas vezes. Portanto, a excelência não é um ato, mas um hábito.” (Aristóteles)

    Blogueiras Unidas 1275!
    Luz e paz!
    Cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/

  14. Yara Andrade disse:

    Cinema e música são duas coisas que amo, e eu acho a trilha sonora de um filme muito importante, tanto é que eu sempre presto atenção na trilha sonora. Fiquei com muita vontade de ler este almanaque, ele parece ser muito interessante e bem completo. Uma pena esses erros, que podiam ser facilmente solucionados com uma revisão.
    Beijos.

    http://palavrasdeumlivro.blogspot.com.br

  15. Ai Duda, passei o post todo cantando. Imagina quando eu ler esse livro…
    Bastou falar em “Letra e Música” que veio Way Back Into Love automaticamente a minha cabeça. Assim como (I’ve Had) The Time of My Life (que eu prefiro por sinal essa versão à do BEP, sem comparações) e Pretty Woman. Eu amo trilhas sonoras de filme, tanto que eu costumo baixar as musicas ou compro o CD. haha
    No livro eles também falam de musicais? acho que no Dear Mr. Postman você falou de Moulin Rouge (que é um dos meus favoritos) mas eles falam de outros também?
    É triste que um livro que tem tudo para ser perfeito vacile em uma coisa que poderia ser resolvida se houvesse mais atenção, como o Português. Mas é a vida… haha
    Ai, como eu queria tê-lo em minhas mãos agora. :/

    Beijos Dudinha!

    Carol.

  16. Mariana FS disse:

    Descobri esse livro através do seu Dear Mr.Postman. Que bom que a resenha veio logo 🙂
    Como é ruim encontrar esses erros de revisão em livros, mas informações errôneas é muito pior. Ainda mais em um livro como esse, com todas essas curiosidades e informações de bastidores, acaba fazendo você pensar se pode mesmo levar a sério o que está sendo afirmado ali, não é mesmo?
    Das músicas que você citou, adoro Twist and Shout, e de fato, sempre que escuto lembro da cena do Curtindo a vida adoidado (alias, adoro o filme também)
    Esse é o livro perfeito para as noites de sexta. Daí no sábado é só correr para a locadora e pegar vários filmes sobre os quais acabou de ler 🙂
    Abraço
    http://www.alemdacontracapa.blogspot.com

  17. Esse livro é Divo!
    Amo todas essas músicas que você citou.
    gosto também da “summer night” do filme embalo de sábado a noite, minha sobrinha ao 4 anos ficava cantando e dançando de tanto eu passa ro clips heheh
    whitney houston é uma DIVA, gosto de todas dela, bem esse livro é demais, vem um cd’s com todas músicas citadas? acho que não, mas deveria vim *oo* beliscões carinhosos

    Máh- Felicidades nos Livros
    @Maaria_Silvana

  18. Oi Duda!

    Amei a resenha. De verdade.
    Eu não sou uma pessoa muito ligada em filmes e música, nunca fui e não sei explicar o porquê. Mas fiquei muito empolgada com esse livro. Meu acervo de filmes clássicos é muito pequeno mas quando você citou Uma linda mulher me animei além da conta. Sempre fui fã da Julie Roberts e também acho que aquela música não tem como ser dissociada do filme. Mesmo não aproveitando como muita gente aproveitaria esse livro sinto que daria uma chance. Mesmo que tenha esses errinhos gramaticais chatos.

    Um beijo!

    Brenda Lorrainy
    cataventodeideias.com

  19. Lucas disse:

    Olá
    Este livro é bem interessante, gostei de conhecer-lo. Sua resenha ficou ótima.

    Lucas / Era uma vez…
    livrosecontos.blogspot.com

  20. Realmente, a beleza do livro fala por si só.
    Mas é um pecado ter tantos erros assim de revisão. Creio que muitas editoras, para lançarem logo a obra, esquecem de passar o “boneco” pela última revisão antes de ir para a gráfica, beneficiando assim uma grande leva de críticas.
    Espero que seja revisto e relançado para poder então adiquirí-lo ^^

  21. Gustavo disse:

    nossa , q maximo nao sabia disso nao , mt legal , pois eu adoro musica kk

  22. Djéssica disse:

    Adorei o livro. Realmente, as músicas que tocam em determinada cenas de filme acabam entrando de um modo em nossa mente, que cada vez que a escutamos, instantaneamente surge aquele filme na sua cabeça. Uma pena o livro conter erros =/ Tomara qque arrumem isso ^^

  23. Planet Pink disse:

    Oi Duda!!
    Que bacana você fazer resenha desse livro, nunca tinha visto uma blogueira resenhar um livro do gênero. Deve ser uma delícia e viagem ao passado e a vários bons momentos =)
    Uma pena ter tantos erros =\
    Amo essa música, She <3
    Beijos!

  24. Que coisa em???
    Se eu não tivesse vindo aqui no seu blog, eu nunca que iria descobrir sobre esse almanaque.
    Do modo como você descreveu cada característica do livro deu pra perceber o quanto você é apaixonada por música, filmes e o que todo mundo já sabe… LIVROS!!!
    Infelizmente eu ainda não sou tão rica de cultura pois comecei a ler mais livros recentemente… Mas de qualquer jeito parabéns por esse post recheado de informações, e aproposito achei o livro super interessante.
    Bjos.

  25. Neny disse:

    Acho uma pena quando pego um livro e não vejo revisão, as editoras teriam que ter mais cuidado, beijos.

  26. Lanny disse:

    Ahhhhh…vi que tem grease ali em cima. Eu amoooo esse filme e as músicas então, nem comento. Adoreiiii…

    Beijooos

  27. Preciso dizer que tô MORRENDO por esse livro? Eu a pessoa mais apaixonada do mundo por musicais e por todas essas músicas marcantes de filmes. Ver o pôster de “Grease” na capa desse livro – meu musical preferido de todos os tempos – já me chamou mega atenção. Mas depois que vi você falando sobre váááários dos meus filmes preferidos esse livro entrou pra lista de Must Have!
    E o que falar da listinha que você preparou? OMG, amo TODAS as músicas que estão aí e todos os filmes também. *-*

    Beijão ♥
    Priscilla Duhau
    Livrificando

  28. RR disse:

    Duda, querida.

    Acredite, não existe livro sem erro, seja de ortografia, gramática ou mesmo informação… sempre passa alguma coisa, e olha que o almanaque foi revisado em duas editoras diferentes !

    Outro dia mesmo recebi um conselho de um autor mais rodado: “nunca releia os seus livros, é tortura, você vai querer reescrever metade do texto”. E é a mais pura verdade, viu ?

    Enfim, se serve de consolo, os errinhos que você apontou – e tantos outros que passaram despercebidos – já foram devidamente consertados para a reimpressão, o que deve acontecer em breve.

    Aí te mando a versão atualizada, ok ?
    😉

    Em tempo: adorei a resenha !

    beijo de cinema,
    RR

  29. Eu até gosto desse tipo de livro, mas acho que não o compraria, parece mais um passatempo e eu sou um pouco chata com isso.
    E ainda mais uma pena que o livro tenha alguns defeitos [as pessoas criticam muito a Leya por isso], deve certamente ser uma revisão mal elaborada. O que eu acho imperdoável nas editoras afinal livros têm entre suas características aprimorar a leitura e escrita [livros não podem nem ter erros de digitação, #euacho].

    Beijocas!

  30. Nicole L. disse:

    Adorei o seu post e até me inspirei para escrever algo no blog que tenho sobre filmes,além disso adorei os seus comentários sobre livros que deram origem à filmes e inclusive já assisti alguns.

    Se quiser dar uma olhada no post que falei, segue o link abaixo…

    http://www.ennefilmes.blogspot.com.br/2012/08/para-embalar-sexta-feira.html

  31. Duda, acredito que um livro como esse deve ser o que todo fã espera – e sei que nisso você se enquadra como ninguém. Apesar de achar a trilha sonora fundamental para qualquer filme, ou série, por exemplo, não sou a pessoa ideal para falar sobre esse assunto.
    Não sei se seria o caso, mas provavelmente este livro também serviria para me informar sobre muitas coisas – além das curiosidades, que você citou. Isso porque deixei de ver muita coisa ao longo dos anos e por isso preciso retomar para que encontre alguns dos filmes. Pelo menos é o penso lendo sua resenha e suas citações.
    Pena mesmo é que existem os tais erros, que não é o que nós esperamos quando se trata de uma editora como a Lua de Papel, mas os demais detalhes devem compensar – ou não.

    Parabés pela resenha, Duda.
    Beijos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *