MENU

by • novembro 29, 2012 • ResenhasComments (24)1908

[Resenha] A Morte da Luz, de George R. R. Martin

Se este é o primeiro livro de George R. R. Martin, preciso urgentemente dos outros. Não farei comparações, porém. Não faço ideia de como é a narrativa de As Crônicas de Gelo e Fogo e sei que a maioria das pessoas que chegaram a ler A Morte da Luz o fizeram por já terem lido outros livros do autor. Isso não aconteceu comigo, mas já em seu primeiro trabalho é possível visualizar o talento inegável de um dos melhores escritores da atualidade.

Worlorn é um planeta distante que tem o seus dias contados. Com cidades construídas com data de validade, e moldado para comportar um grande festival, vários mundos foram convidados para confraternizar e colocar um pedaço de si naquela terra, resultando em lugares levantados a partir da cultura e olhos de diferentes povos. Atualmente o planeta se encontra moribundo, a caminho de uma morte lenta, mas iminente, e pouquíssimas pessoas ainda permanecem ali.

“Talvez a cidade estivesse sonhando agora. Se fosse assim, este era seu último sonho. Os salões abobadados ecoavam vazios, os jardins eram selvas lúgubres, próximas de se tornarem tumbas. Onde o riso certa vez enchera as ruas, agora só restava o sussurro farfalhante das folhas mortas sopradas pelo vento.”

Dirk t’Larien é um homem culto e pacífico, um viajante nômade, constantemente em mudança. Um dia recebe uma joia-sussurrante, símbolo de seu amor com uma ex-namorada, que o recorda de uma promessa feita anos atrás e parte para o seu encontro na esquecida Wolorn, em uma visita que irá mudá-lo irremediavelmente.

Ao encontrar a sua amada Gwen – por sinal, a única mulher em todo o livro – ele não imagina que a encontrará casada e presa por laços culturais a dois homens distintos e fascinantes, com personalidades únicas e perigosas. Jaan Vikary, marido de Gwen (no livro, o termo adequado não seria marido, mas só lendo para entender), é um homem à frente da sua própria cultura, forte e ponderado, que tenta ao máximo trazer avanço ao seu povo conhecidamente violento e que, ao lutar contra o sistema, acaba colocando-se em uma situação ameaçadoramente perigosa.

O universo criado pelo Martin é fantástico e extremamente bem delineado. No começo pode demorar um pouco para se situar com tantos planetas, povos e cultura – o glossário ao final do livro ajuda muito – mas uma vez que pegamos jeito e entendemos o contexto é  impossível parar. O pano de fundo é incrivelmente bem construído, o choque de culturas é intenso e me vi fascinada pela história e modo de vida dos Kavalerianos que terá um papel importantíssimo e irá desencadear todos os acontecimentos vindouros.

“- Há animais assassinos e assediadores de catorze mundos nos bosques, e eles são o menor perigo. Os piores são os humanos. Worlorn é um mundo fácil e vazio hoje, e suas sombras e desertos estão cheios de estranhezas.”

É impossível decidir facilmente para quem torcer em A Morte da Luz. É formado uma espécie de quadrângulo amoroso com dois homens nobres ansiando pelo coração da mesma mulher, e um outro conectado a tiracolo por fortes laços culturais. Os personagens são ambíguos, não sabemos ao certo quem é o herói e até mesmo quais ações os fariam dignos do nome, pois são colocados em situações incomuns e limites, onde cada escolha e caminho desencadeia uma série de eventos cruciais para os seus futuros.

Difícil dizer o que é mais fascinante na narrativa do Martin: se o delineamento dos personagens, o pano de fundo político-cultural completamente bem elaborado, ou todo o universo erigido pelo autor para fazer a história funcionar. Apreciei a narrativa como um todo, contudo é visível que ela adquire um novo fôlego da metade para o final do livro, deixando o leitor preso ao mundo de Worlorn de tal modo que é impossível não querer descobrir o desenrolar dos acontecimentos. O livro é totalmente imprevisível e não fazia ideia do que iria acontecer em seguida ou como a história iria terminar.

Segredos são revelados com direito a algumas surpresas, amores e traições. Fiquei chocada com determinado acontecimento próximo ao final, e cheguei até a derramar algumas lágrimas pelo rumo inesperado que algumas coisas tomaram. Quem gosta de mergulhar em outros mundos e se aventurar em histórias fantásticas e incomuns, certamente irá apreciar muito a leitura de A Morte da Luz. Um livro denso, um pouco mais adulto, que exige a cooperação do leitor ao ser convidado a estudar e entender o panorama geral, essencial para o entendimento e compreensão do que compele cada um dos personagens a tomar suas decisões, e que nos mostra o amadurecimento e mudança adormecidos em nós mesmos quando postos em situações limites.

Título Original: Dying of the Light
Editora: LeYa
Número de Páginas: 336
Gênero: Fantasia/Ficção Científica
Cedido em parceria com a LeYa

Related Posts

24 Responses to [Resenha] A Morte da Luz, de George R. R. Martin

  1. Acho que uma das melhores características da narrativa do Martin é a sua imprevisibilidade, ele consegue nos surpreender com acontecimentos completamente inesperados. Já li o primeiro livro da série Crônicas de Gelo e Fogo e adorei a narrativa do autor. Quero muito continuar a ler os outros livros da série e pretendo ler A Morte da Luz também e espero que eu possa gostar tanto quanto você (:

    Beijão;*
    Naty.

  2. Jeni Viana disse:

    Que resenha ótima! Adorei. Nunca li nenhuma obra do George – ok, como se isso fosse uma novidade -, mas pelo visto preciso ler em breve! Essa história de mundos diferentes me atraiu bastante. Mas sei lá, não sei se conseguiria ler no momento, pois estou muito parada em relação aos livros. Preciso mudar isso.
    Beijo!
    docesabordoslivros.blogspot.com

  3. Natalia Eiras disse:

    Necessito desse livro!!! Faço parte dos fascinados por Martin devido As crônicas de gelo e fogo, mas seu talento é realmente inegável. Quando eu terminar todos os livros de Guerra dos Tronos, esse será o próximo com certeza!

    http://perdidasnabiblioteca.blogspot.com.br

  4. Oi, Duda!

    Ainda não li nadinha do RR Martin e confesso que foi por birra. Mudei de ideia quando minha orientadora disse que ficou assistindo Game of Thrones na sua licença médica. Assisti hoje a dois episódios e vou comprar os livros (quando eu voltar a fazer compras). Mas o assunto aqui não é a série de tevê que estou assistindo.
    Primeiro algo que me chocou: 1 mulher em 336 páginas? Uau.
    Embora alguns livros sejam um pouco mais lentos para situar o leitor, é sempre bom quando tudo aquilo faz sentido e a gente o ritmo.
    Tenho a impressão que o Martin não escreve livros aleatórios, existe sempre uma trama muito inteligente, com cenários (não digo só lugar, mas também tempo e contexto) bem elaborados.
    Antes eu tinha alguma implicância com o autor, mas agora intuitivamente estou criando alguma simpátia e desejo de ler suas obras.
    Na minha limitada cabecinha sem criatividade própria, é quase incabível a existência de outros planetas. Quanto ao choque de culturas, preciso dizer que amo isso nos livros. Torna aquilo mais real e crível.

    Beijocas!

  5. WilLDuarte disse:

    Duda, acho que nem preciso comentar muita coisa, né? Que livro fantástico. Ao iniciar a leitura nunca imaginei que iria gostar tanto de A Morte da Luz.
    Morrendo ou não Worlorn ainda continuará em minha mente por muuuuito tempo.
    Mas agora você PRECISA ler A Guerra dos Trono, ok? Faça isso o mais rápido possível! hahaha
    Admito que em certo momento da trama meus olhos soaram! =C kkkkkk’
    Beijão, Duda!

  6. Oi Duda,
    O autor é bom, né? Não é por menos que lhe foi atribuído o título de renovador da literatura fantástica.
    Como só li os dois primeiros volumes d’As Cronicas de Gelo e Fogo, pretendo ler os demais livros da saga antes de ler A Morte da Luz.
    Abraço,
    Alê
    Além da Contracapa

  7. Lili disse:

    Duda, eu tenho esse livro e quero muito ler. VOCÊ PRECISA URGENTEMENTE SE DEDICAR AS CRÔNICAS DE GELO E FOGO, porque the winter is coming.

    Eu acho que a comparação de Martin como o Tolkien da atualidade faz jus total, nem JK (que amo) conseguiu explorar tão bem a criação como Tolkien: seres, personagens, sentimentos, paisagens.
    Talvez pelo próprio fato de HP viver num mundo ‘real’, enquanto bsucamos nas obras de Martine Tolkien as semelhanças com o nosso.

    Agora, o que realmente chama atenção é seu primor com as palavras e os personagens. Se ele cria fantasias, ele não transfere isso para os personagens. Nenhum autor (acredito) cosneguirá ultrapassar seu talento de veracidade com personalidades.
    Eles são bons, são maus, erram, acertam, se redimem mesmo já dainte de uma próxima atrocidade.
    São gente como a gente. É incrível!

    Há até os psicopatas que você consegue sentir pena vez ou outra.

    Ele é simplesmente, fantástico! E diante da tua resenha, só posso esperar que essa obra dele seja brilhante!

    liliescreve.blogspot.com

  8. Aione Simões disse:

    Oi querida!
    Não sei por que, mas nem esse livro dele me chamou a atenção. Acho que, se a história tivesse me cativado, eu teria ficado doida pela leitura com essa sua resenha hiper positiva.
    De qualquer forma, acho que, se eu lesse, eu acabaria me encantando, porque o autor parece fazer um trabalho brilhante. Não parece uma leitura fácil, já que exige do leitor, mas parece valer muito a pena.
    Ótima resenha, como sempre!
    Beijão!

  9. Tenho a leve impressão de que você gosta de me deixar curioso em relação a um livro. O problema é que grande parte das vezes sinto que preciso fazer a leitura do livro, ao mesmo tempo em que sei que isso não vai acontecer tão logo :/ Sério, depois de assistir a série baseada em “As Crônicas de Gelo e Fogo” eu evitei ler qualquer resenha de livros do autor, mas aqui isso não pode acontecer.

    Enrolações a parte, o que mais me surpreende é que tudo isso que você relatou em relação ao mundo em “A Morte da Luz” está em um volume de apenas 336 páginas. Eu imagino então a grandiosidade de As Crônicas de Gelo e Fogo, que eu tenho certeza é ainda melhor do que a série. Vale destacar também que existem várias coisas citadas por você que eu não fazia ideia de que encontraria no livro.
    Não duvido que, assim como você, vá conhecer Martin com “A Morte da Luz”.

    Ótima resenha, Duda!
    Beijos.

  10. Sofia disse:

    Oi Duda!

    Todos que lêem algo do RR Martin amam. Pouco conhecia sobre esse livro, na verdade li uma ou duas vezes a respeito dele, porém parece conter o mesmo ‘encantamento’ que há nas As Crônicas de Gelo e Fogo.

    Beijos

  11. Luana - LL disse:

    Oi Duda,
    Nunca li nenhum livro do autor, tenho aqui em casa Ruas Estranhas que tem alguns contos dele, eu sempre fico na dúvida se vou gostar ou não, mas pelo que você falou desse livro acho que sim, vou ler algum dos meus contos aqui e se eu gostar eu me arrisco ler esse ai, não quero começar aquela série longa que ele tem e que não está terminada, eu realmente estou tentando fugir de séries haha

    beijos, Lu
    Lendo ao Luar

  12. Julia Cedro disse:

    Oi Duda,
    Já li Guerra dos Tronos e gostei bastante. Tenho A Morte da Luz e estou com as expectativas lá no alto, ainda mais depois de ler a sua resenha. Será minha próxima leitura (:

    Beijos!

  13. Oi, Duda.
    Olha, agora vou ter que admitir que sou muito desatualizada em relação a esse autor. Eu jurava que esse livro fosse um dos seus últimos lançamentos, não o contrário. Tenho vontade de ler esse autor, mas sinceramente nunca parei para ler alguma resenha dos livros dele {desinteresse? Nem é… rsrs} Aliás, eu gosto de livros imprevisíveis, acho que dão um novo fôlego a cada hora. Resumindo: fiquei com vontade de ler, e triste por saber que não o farei tão cedo :s

    Gislaine,
    atualizado, comenta?
    Jeito Inédito
    {ah, eu tô seguindo. Se quiser retribuir ficarei muito agradecida :D}

  14. Olá!!!
    Sou louca por um livro do Martin! Nunca li algo dele, mas vou fazer o possível para começar por esse também. Gosto de apreciar o desenvolvimento do próprio autor.
    A resenha está divina. Parabéns!
    Bjss

  15. Cida disse:

    Eu comecei pelas Crônicas e quero ler este livro somente por ser dele. Gostei do que você apresentou na resenha, isso prova que Martin sabe mesmo o que faz. Bjos! Cida

  16. Mari ♥ disse:

    Oi Duda,
    Acredita que nunca li nada de Martin, sempre fico curiosa depois das resenhas que leio, mas acho que ainda não me despertou aquela vontade de leitura em breve sabe como é?
    Depois da sua resenha, estou repensando ..
    Beijos

    Mari – Stories And Advice

  17. Raíssa Lins disse:

    Li apenas o livro 1 das crônicas de Gelo e Fogo (meu namorado já me emprestou o 2, mas estou com preguiça de encarar aquele livro enorme hahaha) e as impressões que eu tive do Martin foram muito parecidas com as suas. Eu não conhecia A Morte da Luz, mas parece totalmente diferente da outra série e igualmente impressionante. Adoro livros que me levam para um mundo completamente diferente e esse parece ser exatamente assim, trazendo um universo completamente novo, né? Com certeza vai entrar para a minha meta de 2013.

    Beijos

  18. Caline disse:

    OI Duda o R.R. Martin é super conhecido por causa da série A Guerra dos Tronos, mas o tamanho daqueles livros me assusta (apesar de adorar livros enormes) porque eu acho que a história vai acabar se tornando monótona em algum momento. Besteira minha julgar sem experimentar antes, mas eu não consigo perder essa impressão. Talvez seja também porque eu assisti a primeira temporada da série e vi a quantidade de personagens e o quanto o livro é denso e tudo mais.
    Mesmo assim acho que vale a pena. Sua resenha me deixou bem curiosa sobre esse livro. Tem menos páginas, rsrsrs, e um quadrado amoroso é algo bem interessante de ser ver.

    Beijos
    Caline – Mundo de papel

  19. Não é um livro tão bom quanto os outros livros do Martin, mas ainda assim é bom. Espero que as editoras entrem na onda e publiquem outras obras dele.

    Abraços,

    http://oepitafio.blogspot.com.br/

  20. Pabline disse:

    Duda, te juro; terminei de ler sua resenha toda arrepiada. Além de vc escrever muito bem, acredito que vou amar loucamente esse livro.

    Primeira resenha que vejo dele e já vou adicionar no skoob, arranjar um jeito de ler. Preciso desse livro *.*

    Nunca li nada do autor, mas há um tempo pretendo. E já imaginava que a sua narrativa é simplesmente divina, bem elaborada, madura, intrigante… Viciante.
    Além do contexto cultural onde se ambienta o livro, estou muito curiosa pelos personagens. O Autora parece fazer personagens extremamente reais.

    Curiosidade corroendo o meu ser hehe

    Adorei a resenha

    Bjão!

    -Amigas Entre Livros-

  21. Karol Ramos disse:

    Sério que este livro tem o mesmo encantamento de “As Crônicas de gelo e Fogo”??
    Ok…necessito deste livro pra ontem…
    Adorei a resenha, e só me fez fica interessada no livro. Obrigada!

  22. A primera vez que passei os olhos pela sua resenha desse livro eu nem me importei mt, pois minha amiga está lendo As Crônicas do Gelo e Fogo e sinceramente, pela primeira!!!, eu preferi a série de televisão… Porém quando vi o seu video falando das leituras do mês, passei a ficar mais interessada nesse livro… Vou ver se lerei… Caso contrario, natal está ai, darei de presente e depois vejo o que a pessoa achou, qm sabe eu nao pego emprestado né?? kk 😉

  23. jayane disse:

    Ainda não li nenhum livro de George Martin mas acompanho a serie que e baseados em Gelo e Fogo e simplesmente amo,quero ler a morte da luz e outros livros desse cara.

  24. Layse Hana disse:

    Ainda não li nenhum livro do autor mais todos falam super bem dos livros dele…
    Assim que tiver a oportunidade com certeza vou procurar poder ler!

    xoxo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *