MENU

by • fevereiro 28, 2013 • ResenhasComments (28)1573

[Resenha] O Homem Visível, de Chuck Klosterman

Victoria é terapeuta e vive em Austin, no Texas. Certo dia ela recebe a ligação de um possível cliente, informando-a que deseja consultar-se regularmente, mas apenas por telefone. A medida que as consultas vão se aprofundado, Vick percebe que a situação do seu paciente é mais complicada do que imaginava e, ao solicitar uma consulta presencial, não imagina que este será o início de uma relação que irá marcar a sua vida de maneira irreversível.

A história é contada por e-mails, memórias, textos e transcrições de áudio, através de um livro que a  Vicky resolveu escrever sobre as inusitadas interações com um ex-paciente; um contato que acarretou uma enorme mudança em sua vida. O Homem Visível pode ser visto como o manuscrito desse livro, entregue ao seu editor para avaliação. É por essa perspectiva que acompanhamos a narração e, vez ou outra, a terapeuta interrompe para acrescentar notas e sugerir possíveis ajustes.

Y___ (pseudônimo escolhido pela terapeuta) é um homem incomum. Seu raciocínio é extremamente rápido e inteligente. Ele alega ter construído uma espécie de traje especial, capaz de mantê-lo oculto dos olhos externos – um projeto secreto iniciado a pedido do governo americano. Ao longo das sessões, a ligação dos dois toma um rumo imprevisto, e Victoria ver-se obcecada por aquelas histórias (aparentemente alucinantes e ilusórias) de uma mente sagaz, porém comprometida.

Os relatos contados por Y___ são extremamente interessantes. Ele é obcecado em definir a consciência humana, em capturar a realidade. Alega utilizar seu traje para espiar cidadãos dentro dos seus lares ao estudar seus comportamentos quando sozinhos, e acredita piamente que o único momento em que o indivíduo pode ser realmente verdadeiro é quando isolado de outros. E fica cada vez mais obstinado pela ideia.

“Quer dizer, como eu poderia me relacionar com aquelas pessoas se não soubesse como se comportavam ou quem eram de verdade? E eu não sabia essas coisas. Não sabia. Sabia como elas se mostravam, mas não é a mesma coisa. Então comecei a me perguntar: Como poderia descobrir as verdade que não eram visíveis? O que eu não estava vendo? O que ninguém estava vendo?  Fiquei obcecado por essas perguntas e, por isso, passei a seguir as pessoas.”

A voz de Y___ é o que nos impulsiona. Seus diálogos exploram sentimentos e relacionamentos humanos, e transcorrem sobre as diversas influências da sociedade na formação e comportamento do indivíduo. É incrível a capacidade do autor em abordar uma grande variedade de assuntos com domínio e inteligência, coerência e clareza de raciocínio, tudo contado através da voz de um personagem único e interessantíssimo.

Mesmo criando uma sensação de temor diante do desconhecido, é impossível não se envolver pelos seus  relatos de voyeurismos. Realidade ou alucinação? E qual o real objetivo de tudo isso? Y___ aparenta uma total lucidez, mas basta apenas uma frase descuidada para reconhecer que seus atos podem não ser tão inofensivos assim, que as consequências podem ser bem piores quando analisadas por outro ângulo.

O comportamento da terapeuta, por vezes inadequado, é completamente compreensível, pois o leitor consegue entender os seus motivos. Nós também nos tornamos um pouco dependentes da mente do paciente, dos seus monólogos incríveis, da sua retórica perspicaz; não há precedentes nesta situação, e ela tem consciência de que enfrenta um dos momentos mais importantes da sua carreira, da sua vida até.

Será que, inconscientemente,  reprimimos os nossos desejos mais vorazes e só nos permitimos senti-los quando não observados por ninguém? Quais as reais influências que o ambiente exerce no indivíduo? É possível enxergar a essência do comportamento humano de uma forma objetiva, didática e extrair algo de útil e esclarecedor desse processo? A crítica de Y___ é atual e, em certos momentos, possui uma coerência desconcertante. Seus questionamentos e razões são envolventes e nos pegamos pensando em suas indagações, imersos em seus depoimentos.

A narração desenvolvida pelo autor é, ao mesmo tempo, cativante, inovadora, divertida, tensa e reflexiva. Com final surpreendente, O Homem Visível é um thriller de ficção científica, que deixará o leitor na crescente expectativa pelo desfecho inesperado de uma história que se mostrou imprevisível desde o começo.

“Para você, qualquer um que não possa ser visto é invisível. Acontece que existem pessoas invisíveis que estão bem à vista, Victoria. A maior parte do mundo é invisível. Eu queria ver o homem visível. É essa a questão aqui. É realmente essa toda a questão.”

Título Original: The Visible Man
Editora: Bertrand Brasil
Número de Páginas: 294
Gênero: Ficção científica
Cedido em parceria com a Bertrand Brasil

Related Posts

28 Responses to [Resenha] O Homem Visível, de Chuck Klosterman

  1. Caroline Curi disse:

    Duda, não sei por que, mas não dava muito por esse livro. Entretanto, pela sua resenha, me pareceu ser um livro altamente reflexivo, e eu gosto de livros que me fazem parar para pensar muito além das páginas finais. Aquele livro que, mesmo depois de terminá-lo, você fica dias pensando, indagando, questionando. Gostei bastante, fiquei bem interessada na leitura!

    Beijos!

  2. Estava louca para saber da sua resenha do livro, gostei bastante da cara e da sinopse. Agora quero muito ler. hahah
    beijos

  3. Aione Simões disse:

    Oi querida!
    Já tinha achado a premissa do livro interessantíssima quando você comentou sobre ele em sua caixinha do correio, agora fiquei ainda mais curiosa.
    O livro parece ser excelente, não apenas pelo conteúdo como também pela maneira como foi construído. Fiquei realmente interessada!
    Beijão!

  4. Viviane disse:

    Oi Duda!

    Eu já tinha me interessado por esse livro quando você nos mostrou no seu Dear Postman, agora eu PRECISO lê-lo!

    Bjs!

  5. Achei a história interessante qdo vi vc comentar sobre no vídeo… mais mesmo assim acho que não compraria ele…
    Ah, também achei essa capa estranha com estes olhos.

  6. Lili disse:

    Achei diferente e curto coisas diferentes, mas eu nem sabia o que esperar pelo titulo e capa (certamente não essa história). Mesmo assim acho que ela não é para minha fase atual.

    Vou anotar, embora seja um livro que irei precisar estar num outro momento para não me decepcionar.

    liliescreve.blogspot.com

  7. camila rosa disse:

    Que livro legalzinho, até que eu gostei dele, mas não sei se quero muito ler ele, quem sabe né.

  8. Juh disse:

    Duda, eu tenho este livro… comprei pela capa e nunca tinha lido resenha dele. Adorei!! Bjus

  9. Tahis disse:

    Olá Duda!
    Quando você comentou sobre esse livro na sua caixinha do correio já tinha ficado curiosa, depois dessa resenha então… Aborda um assunto diferente, estou precisando ler coisas diferentes e esse sem dúvida é uma boa pedida!
    Adorei o último quote!
    Parabéns pela resenha!!

    Beijão
    lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br

  10. Fiquei curiosa quando você mostrou esse livro na caixinha de correio, só a capa já me deixou com vontade de ler. E agora, depois da sua resenha eu necessito ler e espero que em breve.
    Bjss

  11. Kel Costa disse:

    Tá bom, confesso que não fazia a menor ideia da história desse livro rs. Nunca dei muita bola pra capa e daí não procurava saber sobre o tema. Adorei a resenha, vou tentar conseguir uma oportunidade pra ler!

    Bjs,
    Kel
    http://www.itcultura.com.br

  12. Maria Amorim disse:

    Adoro o livro, de verdade. Eu o vi no seu vídeo Dear Mr. Postman (o último)e fiquei muito curiosa. Obrigada pela sua resenha!

  13. Gabi disse:

    Eu não conhecia o livro, a história parece ser bem diferente e bem interessante!

  14. Suzi disse:

    Oi Duda!!!Nossa esse livro parece mesmo muito interessante!!! Y é um homem misteriosíssimo pelo jeito né..Uma historia totalmente diferente de tudo que eu já li!!!Fiquei bastante curiosa pra ler o livro e amei a capa é muito original!!Bjus flor

  15. Oi Duda,
    Que bom ler uma resenha tua deste livro.
    Quando vi no teu correio, achei um pouco bizarra a capa.
    Mas eu fiquei realemnte interessada nesta leitura. Acho que vou gostar muito do livro, por parecer bem interessante e diferente.
    Beijos,
    Katielle.

  16. Talita Silva disse:

    Uau, que loucura as consultas ser apenas por telefone. O homem invisível é daqueles livros que compro só pela capa e a sinopse, eu havia lido uma resenha do livro anteriormente, e confesso quanto mais resenhas eu leio mais tenho vontade de ler o livro. É o tipo de livro que nos fazem pensar e refletir sobre os nossos comportamentos. Gosto de narrativas diferentes e tenho certeza de que vou gostar desta.
    Sobre importâncias

  17. Ôba!! História inovadora, desfecho inesperado. É tão bom quando isso acontece. Acho que consegui entender agora o porquê do nome (“acho”), pela sua resenha e pela citação no final. É um pensamento bem filosófico esse que você escolheu para colocar por último e eu acredito que haja uma verdade na questão abordada no livro. Acho que todo mundo está sempre assumindo um papel diferente de acordo com a função que está desempenhando no momento, um “eu” que não é totalmente aquele que somos quando estamos “tranquilões”, com nós mesmos. Porém, isso não significa que seja algo ruim, ou que a pessoa seja falsa por fazer isso, por conseguir ser ela mesma apenas nos momentos em que está só. Bem, não sei o quanto há de bom ou de ruim nessa atitude, mas, enfim, deve ser interessante discutir sobre isso, ou ler, rsrs. Além do mais, você disse que o livro tem um pouco de diversão também, né? Que bom!! Não fica só no clima sério. Os olhinhos na capa já me fizeram achar graça, hehe. 😀

  18. Ok, preciso falar que eu acabei de acrescentar mais um livro na minha lista? Pois é, adorei esse livro serio, primeiro que a capa é meio doida e segundo que a historia me parece ser muito envolvente!! O quero!

  19. Sofia disse:

    Fico fascinada por livros do gênero, com questionamentos a tal ponto, imprevisível e inovador. “O Homem Visível” me pareceu uma obra excelente, por um conjunto de coisas!

    Beijão!

  20. Oi Duda

    Bem, é fato que as pessoas são bem diferentes sozinhas, e as vezes até mudam dependendo de cada companhia. Parece bem louco e ótimo esse livro. Fiquei ainda mais curiosa por não saber o que esperar do desenrolar dessa história.

    Bjus

  21. Sora Seishin disse:

    Oi Eduarda!
    Não conhecia esse livro, mas me interessei principalmente pelo estilo de narrativa diferente.
    Tive que ler o título várias vezes até perceber que era O homem VISÍVEL e não INvisível.

    Beijos,
    Sora – Meu Jardim de Livros

  22. Rayane disse:

    Havia ficado interessada ao assistir sua caixinha de correio…a idéia do livro é muito interessante (me lembra um pouco um filme com o Kevin Bacon)…deve ser muito incrível observar uma pessoa quando ela acha que esta sozinha (será que tb preciso de terapia? :/ rs)…Com certeza vai estar na minha próxima lista de compras…

  23. Mônica disse:

    Oi Duda, saudade!
    A capa desse livro é linda e divertida, mas eu não sei se eu iria gostar dele, apesar de você ter me deixado curiosa.
    Beijos

  24. Caline disse:

    Essa capa é meio estranha e até um pouco assustadora, mas depois que assisti seu vídeo fiquei ansiosa para ler a resenha e ver exatamente o que você tinha achado do livro.
    A forma como o livro é narrado é bem dinâmica e sem dúvida atrai a atenção do leitor sem deixar que a leitura fique tediosa. Mas parece que o próprio Y___ é mais do que suficiente para não deixar isso acontecer. Sua personalidade e a ideia de conseguir se invisível através de uma capa, é louca e ao mesmo tempo muito atrativa e interessante.
    Se o final é surpreendente isso já é o suficiente para me convencer a dar uma chance a ele.

    Beijos
    Caline – Mundo de Papel

  25. Raíssa Lins disse:

    Oi, Duda, tudo bom?
    Antes de qualquer comentário, parabéns pela resenha, achei muito bem escrita e totalmente tentadora. Só de ler o que você achou do livro fiquei curiosa para saber o que de tão misterioso tem a história de Y_____! Gosto muito de mistérios e um livro no qual o personagem parece assim tão magnético e envolvente acho que é impossível largar a leitura. Nunca tinha ouvido falar do livro, mas me interessei bastante.

    Beijos

  26. jayane disse:

    A capa e bem estranho pelo menos para mim,mais super fiquei curiosa com os possíveis finais para esse livro e para mim isso ja basta para querer ler ele.

  27. Provavelmente se eu lesse apenas metade da sua resenha não iria imaginar que o livro poderia ser classificado como uma ficção científica. Isso talvez por todo o lado “psicológico” (não sei se esse é o termo ideal) que o tal “Y___” possui. A ideia é fantástica, isso ninguém pode negar, até porque concordo que muitas vezes as pessoas se transformam em personagens para viver em uma sociedade, mesmo que seja a “sociedade familiar”.
    Mais do que os questionamentos do personagem, fiquei interessado em conhecer a pegada thriller que o livro possui.

    Beijos!

  28. Lygia Netto disse:

    Eu não sabia nada desse livro e acabei vendo-o na Travessa semana semana. Fiquei mais interessada ainda na leitura dele dps da sua resenha, pois ultimamente estou na vibe dessas leituras mais “densas”. O último livro que li sobre a relação terapeuta/paciente foi Identidade Roubada, que é excelente também. Apesar da abordagem ser diferente, imagino que são os tipos de leituras que levantam questionamentos para o leitor e acho isso super louvável.

    Está na lista de próximas leituras! 😀

    Beijos!
    Lygia – Brincando com Livros

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *