MENU

by • março 19, 2013 • ResenhasComments (24)1853

[Resenha] Alfred Hitchcock e os Bastidores de Psicose, de Stephen Rebello

Alfred Hitchcock é reconhecidamente um dos melhores diretores de todos os tempos. E isso fica claro uma vez que terminamos este livro. Ou mesmo ao longo do livro. Com seu jeito excêntrico e meticuloso, o diretor era extremamente detalhista beirando a perfeição, e só se dava por satisfeito quando as coisas saiam exatamente do modo que queria. Sua personalidade incomum era, em muitos pontos, repleta de falhas de caráter, mas todas as características que a compunham contribuíram para torná-lo um dos homens mais memoráveis de todos os tempos. Um ícone do cinema mundial.

É simplesmente fascinante acompanhar passo a passo a criação de um dos filmes que mudaram o panorama cinematográfico de modo irreversível. Já era fã de Psicose, mas não fazia ideia da importância que teve para toda uma geração, nem daquilo que representava; ele é sim, um marco incrível, idealizado pela única mente capaz de adaptá-lo para as telas.

“”Acho que a coisa que mais me atraiu e o que me fez decidir fazer o filme foi o inesperado do assassinato no chuveiro, que veio de repente, de lugar nenhum”, observou o diretor.”

Praticamente todo mundo era contra a produção de Psicose. O diretor já era detentor de grande prestígio em Hollywood, recebia carta branca em todos os seus projetos, porém, a sua ideia de adaptar o thriller de mistério do então desconhecido autor Robert Bloch, foi recebida com muita severidade e descrença. Muitos acreditaram que o diretor estava se perdendo, enlouquecendo em projetos escusos fadados ao fracasso, a ponto de boa parte do dinheiro da produção ter saído do seu próprio bolso para torná-lo possível .

Não faziam ideia do quão longe estavam da verdade. Eles não podiam imaginar o grandioso sucesso de um filme que além de quebrar diversos tabus até então inconcebíveis para a época (cenas de nudez, sexo implícito, violência e alguns outros elementos que me abstenho de mencionar para não estregar a surpresa de alguém que porventura não o tenha assistido), quebraria vários recordes de bilheteria ao longo do globo.

“Se por um lado Hitchcock atiçava a imprensa com o sigilo absoluto do filme, por outro, vários membros do elenco e da equipe não tinham conhecimento de seu final. “Hitchcock manteve com ele as últimas páginas do roteiro – o que é compreensível”, comentou a supervisora de guarda-roupa Rita Riggs. “Quando começamos a trabalhar”, contou a atriz Vera Miles, “tivemos que levantar a mão direita e jurar que não divulgaríamos uma única palavra da trama.” “Tudo estava sintonizando com aquele final chocante”, observou o ator Paul Jasmin(…)”

Após a leitura, enxergamos Psicose com outros olhos. Clínicos, analíticos e extasiados. Pode até parecer simples com todos os efeitos especiais facilmente desenvolvidos para os filmes atuais, mas através do documentário escrito pelo Stephen Rebello, o leitor irá compreender as diversas limitações daquela época e enxergará mais claramente a extensão do desafio que tal filmagem representava em 1960.

Já havia assistido o filme pelo menos uma cinco vezes, mas após a leitura é impossível resistir à vontade de vê-lo mais uma vez. Hitchcock costumava manter sempre uma mesma equipe de confiança e o trabalho cooperativo é tão essencial para o sucesso do projeto, que, ao final, o leitor também se sentirá parte dele. Ao assistir novamente, foi com alegria que reconheci durante os créditos o nome de cada um dos membros: diretor de arte, assistente de direção, figurinista, compositor, atores, roteirista, consultores… ficamos com a sensação de acompanhar de perto o passo a passo do set de filmagens, adquirindo uma visão completamente incrível do mundo dos bastidores.

“O sangue-frio do diretor não chegou a surpreender o roteirista, que achava a equipe de Hitchcock “uma estranha organização”. Segundo Stefano: “Eles não faziam elogios. Era como a realeza. O elogio era o fato de você ter sido convidado.”

Completo, bem pesquisado e totalmente envolvente, altamente recomendo a leitura de Alfred Hitchcock e os Bastidores de Psicose para todos os fãs da sétima arte. Além de conhecer mais a fundo uma das figuras mais importantes e controversas do cinema, é também possível visualizar com detalhes o imenso trabalho colaborativo, bem como desavenças, rumores, favoritismo e discussões por trás das cortinas. Costumamos reconhecer apenas os atores que recebem fama e crédito por suas magníficas atuações, às vezes esquecendo o quão essencial os membros da equipe são e representam no sucesso como um todo. Nos bastidores de Psicose cada um terá o seu momento à luz dos holofotes.

Título Original: Alfred Hitchcock and the Making of Psycho
Editora: Intrínseca
Número de Páginas: 256
Gênero: Não-ficção/Cinema
Cedido em parceria com a Intrínseca

Related Posts

24 Responses to [Resenha] Alfred Hitchcock e os Bastidores de Psicose, de Stephen Rebello

  1. Aione Simões disse:

    Duda, sua admiração pelo diretor e sua obra ficou explícita em cada uma de suas frases.
    Apesar de saber que ele é um ícone, não assisti Psicose e nem tinha ideia do tamanho de sua importância.
    O que achei mais interessante, sem dúvida, foi esse reconhecimento da equipe como um todo, algo que é facilmente esquecido por ser mais fácil visualizar os que estão diretamente sob os holofotes.
    Beijão!

  2. Como se esquecer do tão famoso assassinato no banheiro de psicose! Realmente esse filme foi um marco no cinema mundial como não se lembrar da musiquinha de suspense! É só lembrar o assassinato do banheiro que automaticamente o subconsciente humano nos traz a tona a musiquinha! *-* Gostei quero ler esse livro!! Beijos duda!

  3. Aline T.K.M. disse:

    Tenho muita vontade de ler esse livro e adorei ler a resenha dele por aqui! Ver mesmo, vi pouquíssimas coisas do Hitchcock, mas acho Psicose um filme animal, inesquecível. E a própria figura do Hitchcock é bastante instigante. Há um ano fiz uma “leitura dinâmica” (haha) de um livrinho que relata a carreira dele, achei interessante a trajetória, apesar de que não me ative a detalhes, como disse, fiz uma leitura bem dinâmica (confesso que por preguiça aliada ao tempo corrido).

    Bj, Livro Lab

  4. Adoro livros de cinema. Acho que os de bastidores devem ser esplêndidos e empolgantes simplesmente pelo fato de podermos viver um mundo/uma realidade distante da nossa. Adorei a resenha
    bjs
    http://radarmexeriqueiro.blogspot.com.br/

  5. Eu estou muito interessada em ler e ver o filme tb.

  6. Adorei o filme Psicose, e fiquei ansiosa pra ler esse livro sobre o diretor. ^^

  7. Melissa disse:

    Adoro os filmes do Hitchcock, acho que ele até hoje deve ser considerado o mestre do terror e do suspense, filmes como Psicose provam isso. É um ícone do cinema.
    Abraços
    Melissa Padilha
    decoisasporai.blogspot.com.br

  8. Rayane disse:

    Não assisto filmes de terror (sou muito medrosa) mas fiquei muito curiosa sobre o livros, gosto de saber o que acontece por trás das câmeras…

  9. Lili disse:

    Eu tenho curiosidade de ler o livro, mas acho que por enquanto me contento em ir assistir o filmes. Queria ter ido segunda já, mas acabei vendo Oz.

    Parece que Hopkins está ótimo no papel.

    Acho fantástico conhecer mais da criação de grandes obras, principalmente de diretores como ele.

    liliescreve.blogspot.com

  10. Suzi disse:

    Oi Duda!!Acredita que nunca assisti psicose?É um filme bem famoso néah mas nunca tive uma extrema vontade de assistir ao filme mas depois da sua resenha sobre o livro de Alfred Hitchcock, fiquei super curiosa sobre o filme e tbm sobre as curiosidades desse grande diretor.Espero ter a oportunidade de ler o livro em breve para depois correr pra assistir o filme *-* Bjus

  11. Books Journal disse:

    Menine! É realmente incrível esse livro. A gente fica querendo ver o filme milhões de vezes mesmo, só pra reparar em casa cena e poder dizer: “ele fez assim” ou “essa cena foi assim antes” ou até mesmo “esse sutiã é branco porque ele queria passar uma imagem de pureza para a atriz”. É sensacional saber cada detalehe do filme, cada detalhe do que se passou e o que acabou saindo na tela dos cinemas. Eu não tinha interesse no filme, mas depois que fiquei sabendo do contexto e do tamanho da obra, o meu olhar mudou completamente. A resenha ficou massa, Duda *-* Eu comecei a ler o livro, mas parei. Juro que vou tentar retomar a leitura 😀

    Beijão!
    Kaká Rodrigues

  12. WilLDuarte disse:

    Este comentário foi removido pelo autor.

  13. WilLDuarte disse:

    Oi Duda!
    Acredita que eu nunca vi Psicose?
    Mas isso já está prestes a mudar. Não sei se você viu que estreiou essa semama a série “Bates Motel” que é meio que um preludio de Psicose. Vi o primeiro episódio e adorei, mas me recuso a ver o resto antes de ver o filme, então pretendo vê-lo ainda esse final de semana e só em ver você falando tão bem dele já me enche de curiosidade e espectativa.
    E já tenho certa curiosidade em ler este livro e tenho certeza que após ver o filme ela vai crescer ainda mais.
    Beijão!

  14. Oi Duda

    Poxa uma obra imperdível para qualquer cinéfilo, pela sua resenha parece maravilhoso, eu leio bastante sobre filmes mas definitivamente não conheço em detalhes assim a criação (e o criador).

    Bjus

  15. Oi Duda,
    Estou até com vergonha de dizer aqui que ainda não vi Psicose… 🙁
    Mas agora depois que li a tua resenha com certeza eu vou ver e depois quem saber ler o livro. Fiquei realmente empolgada.
    Beijos,
    Katielle

  16. Vanessa Llona disse:

    Assisti o filme muito tempo atras e varias vezes, a musica e a cena do banheiro são inesquecíveis, mas o livro não é muito o meu estilo, apesar de pelo que vc disse ser tão bem escrito.

  17. Gladys Sena disse:

    Tem pouco tempo que assisti um filme sobre as gravações do filme “Pássaros”. Muito interessante, Hitchcock era bem “peculiar”, vamos dizer assim…
    Fiquei interessada por essa obra, 😉

  18. Naty disse:

    Não é bem o tipo de livro que gosto de ler, mas adorei Psicose e estou muito interessada nesta obra.

  19. Manu Hitz disse:

    Muito gostosa sua resenha. Fiquei com vontade de ler tb. Apesar de ter visto Psicose ainda na adolescência – nem lembro mais, só a cena do banheiro, rsrs – agora tive vontade de ler o livro e depois ‘estudar’ o filme, com seus aspectos técnicos e a visão do diretor, coisas que nós ignoramos… Porque o suspense é gritante e essa cena famosa e inesquecível me fez medo durante muito tempo… experimente imaginar que tem alguém entrando no banheiro enquanto vc está no chuveiro, rsrs, dá um pânico! Ele soube criar esse terror no espectador e tornar o filme um marco.

  20. Maria Amorim disse:

    Já li ótimas criticas e me atraiu bastante. Mas minha lista esta enorme tive que dar uma parada nas compras, hehe.

  21. Lucas Martins disse:

    Hitchcock é incrível, né, nem tem muito o que falar sobre..
    Adoro Psicose e os filmes que vi dele, sem exceção. Ele podia ser meio “exigente”, mas era um ótimo diretor, apesar de ter uma obsessão inesplicavel pelas protagonistas – loiras – de seus filmes, hahahha
    Eu assisti ao “Hitchcock” e adorei. Desde o lançamento do livro que tenho vontade de lê-lo. E vou fazê-lo (o livro está na minha lista de aniversário, como um dos principais u.u hehehe)
    Há um filme para televisão – acho que da HBO, “A Garota”, que fala sobre os bastidores de “Os Pássaros”, também, muito bom. Recomendo, caso ainda não tenha visto 😉
    Beijão, Duda!

  22. Eu não tenho interesse nesse livro ;/
    Mas uma amiga minha quase surtou com a publicação dele. hahaahahahh
    beijos

  23. Dani Gomes disse:

    Oi Duda,
    Esses dias quase que comprei esse livro…pois ainda não assisti Psicose e estou com muita vontade de assisti-lo.
    Poxa fico muito feliz da profundidade do livro pois ele já está na minha listinha…. além do filme, é claro rsrsrs…
    Bjs

  24. Não sabia que esse livro era sobre o diretor do filme Psicose, que eu aidna não olhei, mas caso eu for ler esse livro, será um filme obrigatório para eu olhar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *