MENU

by • março 26, 2013 • ResenhasComments (26)3553

[Resenha] O Morro dos Ventos Uivantes, de Emily Brontë

Ambientado no final do século XVIII, início do século XIX, O Morro dos Ventos Uivantes, grande clássico da literatura mundial, narra a história de duas gerações embaladas pela força de um amor doentio, gerador de ódio e desgraças a todos que o rodeavam.

Não existem heróis/heroínas. Os personagens possuem defeitos essencialmente humanos, acentuados pelo cenário que os cercam. Heathcliff, adotado e trazido para a granja pelo pai de Catherine, sofreu diversos preconceitos na infância. O rapaz desde pequeno se afeiçoa pela sua nova companheira e ambos criam um laço de amor e afeição sólido e inquebrável.

O protagonista, porém, é visto mais como vilão do que vítima. As consequências de tal paixão arrebatadora em suas vidas (e na de outras pessoas) é como uma maldição. Ambos retribuíram os sentimentos com igual intensidade, mas a força desse amor, pungente e assustadora, acentuou o que havia de mais profundo em seus âmagos com consequências capazes de leva-los à loucura completa.

Tal amor é, ao mesmo tempo, incrível e aterrador. A fascinação exercida pela constatação do que os unia é poderosa, visto que todos nós somos impulsionados pela necessidade do amor em nossas vidas. É compreensível o caráter hipnótico que tal sentimento exerce no ser humano e todo o seu assombro, até encantamento, com a forma com a qual Brontë o descreveu como a capacidade de fundir-se ao outro a ponto de não podermos distinguir quem é quem.

“Meu amor por Heathcliff é como as rochas eternas sob os nossos pés: uma fonte de felicidade pouco visível, mas necessária. Nelly, eu sou Heathcliff! Ele está sempre, sempre, na minha mente… Não como um prazer, pois também não sou um prazer para mim mesma, mas como meu próprio ser.”

O livro começa próximo ao seu final e é quase em sua totalidade contado pelo ponto de vista de uma senhora. Nelly cresceu ao lado dos seus patrões, acompanhando suas vidas de camarote, pouco podendo intervir no desenrolar dos acontecimentos, mas, em certos momentos, contribuindo de modo irreversível para consequências vindouras.

Sabemos que Heatcliff está separado de Catherine e, pouco a pouco, começamos a compreender e temer o que ele se tornou. Não consegui simpatizar com o personagem em nenhum momento. Pelo contrário, as suas atitudes odiosas, viz e mesquinhas me causaram grande repulsa. Assim como a personalidade extremamente egoísta de Catherine, que não enxergava nada a não ser as suas vontades.

Foram poucos os personagens que me afeiçoei e, felizmente, a narradora está inclusa neste número, facilitando a fluidez da leitura e compartilhando o seu bom senso e bondade com o leitor, de certa forma arrefecendo as sensações. A narrativa dramatizada e a força da tragédia impulsionam o estranho interesse em saber como tudo vai terminar, se todos receberão as devidas punições pelos pecados, se alguém naquela terra perdida e desesperançada conseguirá alcançar a felicidade.

A força do livro está na narração dos acontecimentos e na construção habilidosa e incrivelmente real de cada um dos seus personagens, fazendo merecer o seu posto de clássico atemporal. Como história de amor, porém, me causou uma crescente indignação, principalmente na exaltação do romance doentio do seus protagonistas, que mais causa consternação do que solidariedade.

O Morro dos Ventos Uivantes é, para mim, uma história mais de ódio do que amor. A luz foi enterrada, coberta por toda a escuridão que impulsionou os diversos atos e consequências, transformando o que poderia ser belo em algo cruel e antagônico. A constatação do romance convertido em algo repulsivo é desanimadora e reflete diretamente nos sentimentos conflitantes de amor e ódio sentidos por esta leitora ao longo do livro. Não me levem a mal, a grandiosidade, força e complexidade do elenco é admirável. Mas o seu conteúdo trágico me carregou, e apesar de não ser uma leitura que eu faria repetidas vezes, certamente vale a pena ler uma vez.

Título original: Wuthering Heights
Editora: Landmark
Número de páginas: 304
Gênero: Romance histórico/Clássicos

Related Posts

26 Responses to [Resenha] O Morro dos Ventos Uivantes, de Emily Brontë

  1. Aione Simões disse:

    Oi querida!
    Acho que você descreveu o livro perfeitamente, ele é mesmo muito mais sobre ódio do que amor (arrisco a dizer que acho, também, que seja sobre a loucura), as personagens são completamente perturbadas e a obra é totalmente sombria.
    Ainda que o romance em si deles não tenha me encantado, a força da história me impactou tanto que eu me apaixonei por isso, pela intensidade, sem contar que os momentos em que os dois demonstram seu amor realmente me emocionaram. Esse quote que você selecionou é um dos meus favoritos, juntamente com o de Heathcliff, quando ele diz que não pode viver sem o amor dele, sem a alma dele.
    Eu acho que Jane Eyre vai te agradar muito mais, vai por mim 😉
    Quanto ao filme, não sei qual versão você vai ver (eu vi a de 95 e a da MTV – bem fraquinha essa -, e quero ver a mais recente), mas a de 95 tem uma abordagem mais romântica que do livro, na minha opinião, sem deixar de lado a parte sombria.
    Beijão!

  2. Sofia disse:

    Interessante saber sua opinião Duda, sendo que várias pessoas dizem amores da obra. É incrível como muito dos livros que eu li até agora, citavam, de alguma forma “O Morro dos Ventos Uivantes” e todo esse romance. Porém, te confesso que apesar de ainda não ter lido o livro, esse ‘romance’ existente não me aparenta ser tão ‘convincente’.
    De qualquer forma, não posso tirar conclusões, sendo que não li a obra.
    Eu não lembro exatamente qual foi o livro que votei no “O Leitor Escolhe”, mas acredito que foi “O Morro dos Ventos Uivantes”, estava curiosa para saber sua opinião.
    Tem até ele na biblioteca da escola, vou dar uma olhada…

    Beijão!

  3. Tiago Vieira disse:

    Oi Duda!
    Não simpatizei com o enredo do livro nem um pouco. Acho que não iria gostar se lesse, então prefiro não arriscar rs.
    Foi a primeira vez que eu fiquei sabendo sobre a trama e os personagens, pois eu só conheci esse título através da Bella da S.Meyer que amava esse livro; mas nunca me interessei em pesquisar sobre.
    Aguardo o próximo clássico!
    Até a próxima! 😀

  4. li o livro já faz algum tempo e quando lembro da estória me vem um sentimento de tristeza sabe? mas isso não é uma coisa ruim, ninguém ali é perfeito e, infelizmente, a felicidade passa muitas vezes longes deles e a vida não é assim algumas vezes? é um sentimento de amor doentio, sim, mas bem diferente do que estamos acostumados e personagens tão intensos que são inesquecíveis. adorei a resenha, a sua percepção do livro foi bem parecida com a minha.

    http://rehabliteraria.blogspot.com.br/

  5. Oi Duda

    Eu tenho vontade de ler esse livro, para conhecer a relação deles, adorei saber o que você achou – parece bem forte e queria saber o que eu ia achar deles como pessoas. Então pretendo ler eventualmente.

    Bjus

  6. Books Journal disse:

    Awn, eu votei nele, yeah! ;D Eu tava muito curiosa pra ler uma resenha sobre esse livro (de alguém que eu confiasse), mas eu acho que nenhum dos blogs que frequentam já resenharam ele. Nunca pensei que fosse uma história assim tão carregada. A única coisa que eu sabia, por cima, era o que Edward e Bella sempre discutiam sobre ele (shame on me). Mas enfim, adorei a resenha e provavelmente, numa época em que eu estiver querendo fugir da minha zona de conforto, eu vou me atrever a embarcar nessa leitura.

    Beijão, Duda *-*
    Kaká Rodrigues

  7. Aline T.K.M. disse:

    Olha, justamente esse aspecto mais obscuro do enredo é o que mais me atrai. Há muitos anos quero lê-lo, inclusive lembro de bem nova ter ouvido da minha mãe que ainda era muito criança para ler esse livro hahaha. A gente tinha o livro aqui em casa, mas nem sei onde foi parar, já que não morávamos no mesmo apartamento naquela época. Mas com certeza lerei o livro!

    Bj, Livro Lab

  8. Gabi disse:

    Oiii!

    Li esse livro há uns 2 anos atrás e ele continua na lista dos meus preferidos. Acho que ele me chamou atenção exatamente por ser trágico e não mais uma daquelas histórias ingenuas onde todos são perfeitos, nesta os protagonistas têm defeitos, e muitos ( e eles pagam por isso), mas mesmo assim são capazes de amar. Quero ler de novo algum dia desses!

    Bjos!
    Fique com Deus!

    =)
    http://oceano-literario.blogspot.com.br

  9. Eu li no colegial e adorei, quero ler de novo. Esse é um dos livros q faço questão de ter o meu exemplar.

  10. Oi Duda,
    gostei de conhecer teu ponto de vista. Este é o livro prefeirdo de muitas pessoas e apesar de ser um clássico te digo que já iniciei a leitura dele inumeras vezes e não consegui prosseguir. Não sei, é um livro que não me chama a atenção e não me cativa nas primeiras páginas. Agora depois que tu disse que é um livro sobre mais ódio que amor, não quero ler, definitivamente.
    Beijos,
    Katielle
    http://leituramaravilhosa.blogspot.com.br/

  11. Suzi disse:

    Oieee!!!Eu já li e confesso não gostei muito =X

    De romance não tem nada né Heathcliff é um doido varrido, fiquei com raiva dele em algumas partes, principalmente daquele menininho que fica na fazenda com ele ele se vinga no garoto ai que ódio rsrs Eu sei que é um grande clássico mas faze o que não me agradou tanto quanto eu imaginei que fosse.. Também achei a narrativa muito cansativa talvez seja a edição que eu li que não foi essa mas não leria novamente!!Bjus

  12. Maria Amorim disse:

    Nunca li, e nem me sinto curiosa. Mas é um clássico, e clássicos, normalmente, são muito bons!

  13. Lili disse:

    Linda, linda essa resenha Duda. Eu ainda acho que é um livro sobre o amor, um livro sobre como o amor pode mexer conosco. Mas definitivamente não é um livro romântico.

    Eu acho a história tão fantástica, com tantas minúcias, porque estamos acostumados a histórias que possuem os personagens ruins (os que não amam ou que sofreram) e os personagens que sofrem por amor.
    Aqui vemos também que embora o amor seja importante na vida das pessoas, algumas preferem colocam outras coisas acima (e nem por isso são pessoas ‘ruins’, embora cometam suas falhas).

    Quando Catherine mostra que o status é tão importante para ela parece algo horrível, mas eu me recordo de Virgília (de Brás Cubas), que embora o amasse não queria de modo algum fugir com ele e criar má-fama ou perder sua posição social.

    Ou seja, embora o amor seja esplêndido, a vida não é tão simples como nossas fantasias românticas.

    liliescreve.blogspot.com

  14. Vanessa Llona disse:

    Concordo com vc, também acho que a historia é mais de ódio e vingança do que qualquer outra coisa, mas acho que dá pra tirar muitas lições com esse livro. É um dos livros prediletos da minha filha, eu ainda não li, pois a historia não me atrai, mas ela me conta quase tudo rsrsr.

  15. Rayane disse:

    Esse é um livro que pretendo ler este ano para o desafio literário e que, apesar de ser um clássico mundial, citado em alguns filmes que assisti, não tinha muita noção do que se tratava…ao ler sua resenha percebi que talvez não seja uma leitura muito fácil, mas como é para o desafio acho bem apropriada.

  16. O que me fez amar esse livro foi exatamente esse fato de ser um romance trágico que mostra como o amor pode se tornar algo tão ruim para quem sente e quem é alvo desse amor. Com certeza não é um livro que eu leria outras vezes, mas me marcou muito também.

    Beijos
    Leitora Incomum
    @LeitoraIncomum

  17. Oi Duda! Boa Noite!

    \o/ Muito feliz com a tua resenha deste clássico que simplesmente estou louca para ler, e olha eu posso dizer que a tua resenha só me instigou a ler esse livro a história é linda além de envolvente e intrigante! Espero gostar bastante do livro pois além de ser um romance histórico que é um gênero que eu gosto bastante e também é um dos grandes clássicos mundiais falados por todos os blogs então é uma leitura que quero fazer e lógico tê-lo em minha estante! Vlw Duda! Abraços.

  18. Eu tenho esse livro a séculos, desde a época de Crepúsculo.Mas eu ainda não li ;/ Preciso tomar vergonha na cara e ler esse classico maravilhoso. Fiquei bem intrigada com a sua resenha.
    beijos

  19. Melissa disse:

    Oi! Tenho a muito tempo vontade de ler os livros da família Bronte não só esse mas também Jane Eyre, assisti uma versão recente desse livro e realmente a história é trágica. Sei que as produções cinematográficas tendem a ter uma liberdade em seus roteiros mas dá para notar o tom pesado da história.
    Abraços
    Melissa Padilha
    decoisasporai.blogspot.com.br

  20. Lucas Martins disse:

    Duda, esse é um dos clássicos mais clássicos de todos os tempos e eu não entendo ainda porque postergo taaanto sua leitura.. eu tenho o livro, está lá, quieto, esperando por um momento oportuno (que está demorando). Mas sempre que vejo resenhas me renova a ideia de que tenho que faze-lo justamente para entender a história que é “mais de ódio do que amor”, como já vi muitas vezes. Vou pôr uma nova meta.. em breve.. hahhaha
    Beijão!

  21. Dani Gomes disse:

    Oi Duda,
    Estava muito esperando vc ler esse livro para saber a sua opinião pois já coloquei ele várias vezes no meu carrinho de compra e tirei rsrs…
    Confesso que eu tinha uma outra visão desse livro e é bom saber que ele não é apenas romance….e só de saber que a narrativa corre bem…pra mim é muito, pois é muito chato qdo o livro não flui.
    Adore!!!
    Bjs

  22. Naty disse:

    Faz um tempinho que comprei esse livro e ainda não li. Tenho muita curiosidade em conhecer as complexidades desses personagens. Adorei sua resenha, vou lê-lo em breve. bjs

  23. Manu Hitz disse:

    Faz tanto tempo que li esse livro que acho que vale uma segunda vez, sim. Agora estou madura para perceber o que não havia descoberto antes. Sutilezas como a riqueza dramática dessa relação de amor e ódio, de dores caladas e exacerbadas no reencontro. Quero sim, obrigada por me lembrar desse clássico!

  24. Sempre vi tanta gente falando desse livro, e lendo sua resenha acho que deve ser bom, por isso pretendo ler ele, não agora, mas quem sabe um dia.

  25. Teresa Cristina disse:

    Olá! Vi o filme ainda quando adolescente. Comprei o livro logo após. Amei o enredo, a loucura das personagens, o amor violento, o clima, o tempo nublado, as campinas, as urzes..ainda é meu livro predileto relido diversas vezes!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *