MENU

by • setembro 17, 2013 • ResenhasComments (39)2442

[Resenha] Alta Fidelidade, de Nick Hornby

Alta FidelidadeRomance de formação de primeira, Alta Fidelidade é extremamente bem sucedido em seu gênero. Desde a construção do descontraído enredo, até a narrativa e voz do personagem, o autor se mostra totalmente à vontade, deixando, consequentemente, o leitor confortável para mergulhar na cabeça de um adulto que não amadureceu.

A namorada de Rob acabou de trocá-lo pelo vizinho, deixando-o desolado. Prestes a completar 36 anos, ele está insatisfeito com a vida e passa a apontar os antigos fracassos amorosos como responsáveis pelo refreio do seu progresso. Agora ele está perto dos 40 e possui apenas uma pequena loja de discos e uns poucos amigos escusos. Apenas uma coisa é constante em sua vida: a música.

“As pessoas se preocupam que as crianças brinquem com armas e que os adolescentes joguem video games agressivos; (…) Mas ninguém se incomoda que esses jovens ouçam milhares – literalmente milhares – de canções sobre corações partidos e rejeição e dor e sofrimento e perda”.

O ponto forte de Alta Fidelidade é, definitivamente, a personalidade do protagonista. Ao mesmo tempo em que Rob é um chato de galocha, ele consegue ser estranhamente carismático, uma mistura inusitada. Seus pensamentos são sinceros, naturais e interessantes de acompanhar. A experiência de leitura é como sentar de camarote dentro da cabeça de um homem, preparar a pipoca e acompanhar seu raciocínio tortuoso e meio louco.

Acima de tudo, é um livro divertido. O personagem possui o tipo de humor irônico e autodepreciativo que eu tanto já enfatizei que adoro. Aqui ele dá ainda mais certo, pois além de não parecer forçado, adquire uma característica pungentemente real. É inconcebível imaginá-lo como um ser ficcional, tamanha a naturalidade de sua voz. Oscilações de gosto também serão comuns, é possível amá-lo e odiá-lo com intervalos de segundos.

“Calcinhas se revelaram uma terrível decepção quando passei a morar com mulheres. Nunca cheguei a me recuperar do choque que foi a descoberta de que elas, assim como nós, guardam as melhores para aquelas noites em que sabem que vão dormir com alguém. Quando a gente mora com uma mulher, uns trapos velhos, desbotados e encolhidos, comprado em lojas populares, de repente começam a aparecer pendurados para secar pela casa inteira”.

Com extremo domínio de narrativa, Nick Hornby consegue manter, aparentemente sem esforço, uma forte conexão tanto com o público que pode facilmente se identificar com a fase deprê de arrependimentos e desilusão amorosa que o personagem está passando, quanto com pessoas que nada tenham a ver com isso, simplesmente pela veracidade e leveza de sua escrita.

Além do fator humano, a história é uma viagem aos grandes clássicos musicais e traz uma discussão constante sobre singles, álbuns e canções que certamente agradará os entusiastas do assunto. A música, inclusive, ocupa papel de destaque na história, faz parte da essência do personagem e é a ligação entre o núcleo principal do livro.

“Uma canção sentimental tem esse grande poder de levar a gente pro passado enquanto, ao mesmo tempo, carrega pro futuro, de modo que é alguma coisa simultaneamente nostálgica e esperançosa”.

Escrito em plenos anos 90, Alta Fidelidade evoca uma atmosfera nostálgica com discos, ausência de redes sociais e, até mesmo, celulares, levando em consideração que em 1995 poucas pessoas tinham acesso a tal tecnologia. O livro foi adaptado para os cinemas no ano 2000 com John Cusack no papel principal, acompanhado dos atores Jack Black e Catherine Zeta-Jones.

Título original: High Fidelity
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 310
Gênero: Romance de formação
Cedido em parceria com a Companhia das Letras

Related Posts

39 Responses to [Resenha] Alta Fidelidade, de Nick Hornby

  1. Quequel disse:

    Olá !
    Nossa a primeira citação que colocou já me ganhou.
    “As pessoas se preocupam que as crianças brinquem com armas e que os adolescentes joguem video games agressivos; (…) Mas ninguém se incomoda que esses jovens ouçam milhares – literalmente milhares – de canções sobre corações partidos e rejeição e dor e sofrimento e perda”.
    É bem isso mesmo né?!

    Mas vamos a resenha, antes de mais nada devo dizer q leio com o seu sotaque na minha cabeça… é só eu q faço isso? Já posso me internar? rsrs
    A sua facilidade de escrever me conquista a cada linha, dá vontade de parar tudo e ir agora ler essa historia, ou qualquer outra q vc elogie. Parabéns mesmo, me sinto presenteada pelo YTB q me indicou o seu canal e me trouxe aqui.

    Participando 😉
    Bjinsss.

  2. Cristiane disse:

    Menina, eu to maluca por esse livro faz milhares de anos!
    Adorei sua resenha, fiquei com mais vontade ainda de ler. Também adoooro um humor irônico hahahahaha
    Beijos!

  3. Oii, Duda!
    Adoro livros que tenham música em seu enredo e acho que esse livro tem muito a oferecer nesse quesito. Me empolgou muito também o fato de o livro ter sido escrito nos anos 90, pois adoro essa época e tenho certeza que vou gostar também.
    A premissa parece muito interessante e tenho muita curiosidade de ler algo desse autor.
    Parabéns, como sempre, pela resenha. Você nasceu para ser escritora, com certeza 😉
    Beijocas!

  4. Juh disse:

    Oi Duda,
    Antes de qualquer coisa o livro já me ganhou pela capa!!! Parece ser uma leitura muito agradável.. e se a Duda recomendou é porque é realmente bom!
    Adoro o Blog ♥

  5. Duda, agora que já postei meu comentário, gostaria de fazer uma pequena reclamação 😀
    Toda vez que você coloca alguma promoção no ar sempre tem a opção de ganhar +5 entradas seguindo o Book Addict no Instagram e a editora também. Só que eu não tenho Instagram, pois não tenho Smartphone 🙁 Eu acabo tendo menos chances que as outras pessoas por não ter um.
    Me desculpa ser sincera, mas eu queria expressar minha tristeza, rs.
    Beijocas!

  6. Noossa livro com música junto, tudo de bom.
    Quem não tem uma música marcante na vida??
    Adorei a resenha e a descrição dos personagens.http://www.book-addict.com/wp-includes/images/smilies/icon_lol.gif

  7. Eita esse personagem me lembrou um pouco eu mesma chata e qd quer um pouco simpática hahaha. O fato de tb trabalhar com música tb me atrai.
    Não sabia do que se tratava o livro até agora, mas depois destes dois detalhes eu quero lê-lo!

    Miquilis

  8. Aproveitando um dos comentários da resenha, acho incrível a sua facilidade em descrever uma obra e fazer o leitor se interessar pela mesma. Por essas e outras que gosto tanto do seu trabalho.
    Deixando isso de lado, não me lembro de ter lido um romance de formação, mas essa ligação com a música e de um mundo sem as atuais tecnologias aparenta ser bem interessante (ainda mais se passando na década de 90, uma das melhores).
    Por alguns motivos, apenas a sua resenha já fez eu me identificar com o personagem, o que é ótimo. Espero apenas que, se tiver a oportunidade de ler, continue me identificando.

    Beijos, Duda!

  9. Ahhh curti bastante do livro agora, confesso que com essa capa não consigui pensar que ele era bom..
    gostei bastante da tua resenha. espero ganharrr..
    beijos

  10. Acho que nunca estive tão ansiosa pra ler um livro como estou para esse!!!! Estou me perguntando o que me chamou mais a atenção neste livro: capa ou a primeira citação “As pessoas se preocupam que as crianças brinquem com armas e que os adolescentes joguem video games agressivos; (…) Mas ninguém se incomoda que esses jovens ouçam milhares – literalmente milhares – de canções sobre corações partidos e rejeição e dor e sofrimento e perda”. No final, cheguei a conclusão que ambos me chamaram a atenção, mas que foi a sua resenha que me deixou desesperada pra ler esse livro lol

  11. drika white disse:

    Não vejo a hora de ter e de ler esse livro, tenho certeza que vou adorar *-*

  12. Marina disse:

    Já há algum tempo tenho vontade de ler esse livro.
    Sempre vejo comentários na blogsfera literária… a indicação da Tati Feltrin e agora a sua me deram ainda mais vontade de ler.
    Quem sabe ganho o sorteio =)

  13. Tenho que confessar que aquele trecho da calcinha foi o suficiente para me convencer de ler o livro! HAHAHAHA Simplesmente amo humor negro/irônico e sempre devoro livro onde os personagens principais são assim! Sem contar pelo fato de falar sobre música, ao menos na minha cabeça esse livro parece vir com um prato cheio de boas indicações!

    Roberta Krutzmann | http://www.apenasumtrecho.com

  14. Nina disse:

    PRECISO ler esse livro. Participando!

    Nina & Suas Letras

  15. Lise disse:

    Duda, eu desconhecia totalmente esse livro e a adaptação.
    Fiquei encantada pela história, em especial por ser o que eu esperava de alguns chick-lits masculinos que li nesse ano (será que eu acabaria me decepcionando com essa história também?).

    Acredito que não, que eu realmente me encantaria, em especial com esse tom irônico e as referências aos musicais.

    Vou atrás do livro!

    liliescreve.blogspot.com

  16. Engraçado, eu tinha em mente que romances de formação eram com protagonistas adolescentes, mas faz sentido ser um homem adulto que ainda está em processo de amadurecimento.
    São paradoxais as características do personagem, mas acredito no chato, bipolar e carismático, rs. Além disso, acho que o bom humor só melhora Acho interessante quando a música se faz presente na literatura e sinto falta disso em livros nacionais! Gosto de observar reflexos da mídia na composição musical e as transformações da música pela cultura de massa. Acho que, todas as pessoas que GOSTAM de música, têm um pouco de música dentro de si.

    Beijocas.

    P.s.: no Raffle, não seria seguir a editora Cia das Letras no Insta?

  17. Iure Silva disse:

    Me falaram algumas coisas desse livro + essa resenha = quero ler. 🙂
    Participando já.

  18. Taí um livro que quero muito ler, ainda mais depois da sua resenha, Duda! ;o)

    Xerinhos
    Paty

  19. Eu gosto também de livros assim, com humor. Ultimamente tenho lido alguns livros muito tristes e quero ler algo mais divertido, quero poder dar altas risadas!

  20. Tainara H. disse:

    Ainda não li o livro, mas já assisti ao filme há um tempo e apesar de ser tão bom quando eu esperava, eu gostei. A história em si eu não achei tão interessante, mas o simples fato de envolver música já o torna muito bom pra mim. E como não pode deixar de ser, o livro deve ser bem melhor, então é um dos que eu mais quero ler. A capa é linda e o tema tem tudo a ver comigo. Ótima resenha! 😉

  21. Thaysa Rocha disse:

    Depois que li a resenha fiquei interessada, porque confesso que já tinha visto alguns videos falando sobre ele e não tinha dado muita atenção.

    Não sabia que já tinha filme, vou até procurar!!

    Você escreve bem, parabéns!

  22. Oi Duda! Então, somente a capa do livro já havia me interessado, no entanto, ao ler a sua resenha, estou completamente apaixonada pelo livro e já sai correndo para adicioná-lo aos desejados! A Tatiana do Tiny Little Things já havia falado do livro à um tempinho, da edição antiga, e super recomendou, dizendo que o livro era muito bom e cômico. Ela prefere a primeira capa, já eu prefiro essa. Enfim, quanto ao conteúdo do livro, nunca li livros com esse estilo, no entanto o personagem meio que me lembrou um pouco o Dex de Um Dia (ahh saudades de ler um dia hehe). Fiquei apaixonada pelos quotes que você deixou, muito bons, e o fato de o livro envolver música, uma das minhas paixões, me deixou ainda mais instigada em ler o livro. Adorei Duda, espero lê-lo em breve! Participando da promoção, quem sabe dessa vez eu tenho sorte 😉

  23. Ainda não vi o filme, por isso espero pelo livro ansiosamente, pra depois poder comparar as duas versões. Sempre opto primeiro pela leitura, pois sei que não há nada comparado à nossa imaginação . Se a adaptação cinematográfica estará ou não à altura, aí é outra história…

  24. O livro envolve personagens mais velhos e sem um relacionamento e música ( a loja de discos) adorei mesmo. A capa está linda!
    Um beijo

  25. Eu já assisti o filme adaptado do livro, mas só quando eu vi o livro no seu site é que eu fiz a associação! Sim, pode me condenar por isso..hahaha..eu realmente não sabia que tinha um livro desses por aí.
    Adorei o filme e, depois dessa sua resenha magnífica, quero muito ler o livro também! Duda, eu sei que muitos estão elogiando a sua coesão e grande desenvoltura em escrever resenhas, e eu não poderia deixar de citar isso também!! Eu leio TODAS as resenhas que vc faz e, sempre que posso, compro os livros, pq vc tem uma capacidade de convicção muito grande! Se vc não gosta de um livro, eu começo a achar defeitos e se vc gosta, já coloco na minha lista de “futuras compras” hahhaha.
    Parabéns pois isso leva o seu site a um nível superior a tantos outros que se propõem a fazer o que vc faz! Continue sempre assim =D

  26. Ingrid Sodré disse:

    Olá, Eduarda. Primeiramente, gostaria de parabenizá-la pelas suas resenhas, são impecáveis. Conheci seu blog recentemente e posso dizer que sou sua nova leitora. rs
    Adorei o livro. Costumo dizer que sou movida a literatura e música, são coisas que já fazem parte de mim. Esse foi um dos motivos pelos quais o livro me interessou. Outro motivo que me chamou a atenção, foram os quotes reflexivos, amei esse:
    “Uma canção sentimental tem esse grande poder de levar a gente pro passado enquanto, ao mesmo tempo, carrega pro futuro, de modo que é alguma coisa simultaneamente nostálgica e esperançosa”.
    Não tinha conhecimento do livro e do filme, mas só pelo enredo e elenco, acredito que seja muito bom.

  27. Uma história bem diferente do que estou acostumada ler. Mas gostei de conhecer um pouco esse personagem imaturo e amável. Vou tentar ler este também. Muito legal essa dica pra leitura, amei.

  28. Cris Aragão disse:

    Os chatos na literatura sempre o são da maneira mais interessante que se possa imaginar. Personagens com características inuportáveis são sempre construídos de maneira a se tornarem seres fascinantes quando na vida real não seríamos capazes de suportá-los por mais de quinze minutos. É por isso que eu amo os livros.

  29. Shadai disse:

    Já li esse livro e gostei muito, mais do que o filme que é bom também.
    O livro não tem nada demais, nada de fora do comum, mas ainda assim tem algo nele muito agradável. Talvez seja o fator “música”, que é uma paixão minha. Talvez seja a vida amorosa do protagonista que é a de muitas pessoas, é bem realista, não é aquela coisa romântica de livros que tudo vai dar certo.
    A resenha ficou ótima, enaltecendo pontos fortes desse livro essencial – principalmente para quem já tem mais de 25 anos e goste muito de boa música.

  30. Olá!!!
    Adorei, o jeito que você escreveu a resenha me deixou com muita vontade de ler, conhecer essa história, fiquei muito curiosa, ainda por ser clássico dos anos 90. Entrou para minha Wishlist, quem sabe não tenho sorte dessa vez e ganho a promoção?! Imaginando a minha reação se eu ganhar!!! Torcendo muito por mim!! Adoro seu blog, e o canal do youtube, está de parabéns!!!!!

  31. Nilsen disse:

    Ah, eu tô muito curiosa para ler esse livro! Tem tanta gente falando bem 🙂
    Eu simplesmente ADORO personagens autodepreciativos. Acho que eu gosto tanto porque me identifico um pouco, na verdade. A vida não tem graça se a gente não souber reconhecer nossos defeitos e criticá-los – principalmente se a gente for irônico sobre isso, pra deixar tudo mais leve.

  32. Adriana disse:

    Bom, o que falar desse livro? Sendo a música minha segunda paixão depois dos meus livros, com certeza será uma leitura prazerosa, já que a historia aborda os questionamentos de um homem que fora abandonado e também fala do universo da música e também com tantos elogios à narrativa do autor, que eu não conhecia, fica díficil não se entusiasmar por essa leitura e é bom saber que ele foi escrito nos anos 90, é como voce disse, nos traz uma “atmosfera nostálgica” daquele tempo, onde tudo era muito diferente de hoje! Adorei e quero muito ler esse livro! 🙂

  33. Lucas disse:

    Sua resenha só me deixou com mais vontade de ler o livro! (:
    Bjs, Duda!

  34. Mah disse:

    Ótima resennha! Eu tenho vontade de ler esse livro desde que a Tatiana Feltrin falou dele num vídeo e essa é a primeira resenha que leio sobre e me fez querer ler mais ainda. Eu fico curiosa pra saber quais as músicas e discos citados e oq acontece na história, porque tanta na sua resenha quanto na da Tati pra mim ficou meio uma lacuna do que acontece após a mulher deixar ele, quero dizer oq mais acontece na história.
    bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *