MENU

by • março 13, 2015 • ResenhasComments (58)11404

[Resenha] O Sol Desvelado, de Isaac Asimov

Algo pode melhorar quando já está perfeito? Asimov prova que sim. Ainda que o estilo do escritor russo/norte-americano já tivesse me arrebatado em As Cavernas de Aço (1953), primeiro romance da Série Robôs, sua escrita tornou-se ainda mais afiada em O Sol Desvelado (1957). Dando continuidade a saga que prova possível uma mistura equilibrada e certeira entre os gêneros ficção científica e romance policial, o autor retorna com seus já conhecidos protagonistas em uma nova investigação que irá exigir mais do que nunca de seus raciocínios analíticos.

O sol desveladoAo contrário do livro anterior, O Sol Desvelado será ambientado quase em sua totalidade fora da Terra, no planeta Solaria, governado por uma sociedade de poucos Siderais que concentram boa parte de sua mão de obra na mão de milhões de robôs. Chamado inesperadamente para investigar o primeiro assassinato ocorrido neste mundo, o inspetor Elijah Baley precisará de toda sua capacidade mental para estudar uma nova cultura totalmente diferente da sua e entender como uma dessas pessoas pode ter cometido um assassinato quando as circunstâncias que o rodeiam tornam o ato quase impossível.

Uma das coisas mais interessantes nas tramas policias do autor é justamente a elaboração de crimes improváveis, desafiando a capacidade do detetive (e leitor) em elaborar hipóteses sobre o ocorrido. Este é, inclusive, um dos motivos pelo qual indico a leitura desta série não só aos fãs de sci-fi, mas também a qualquer leitor que se interesse por uma boa trama investigativa, daquelas gostosas que nos prendem, especialmente pela sua ambientação e personagens fascinantes.

Apesar do romance trazer um caso isolado, é absolutamente necessária a leitura do volume anterior para que haja uma contextualização desse universo enriquecedor, mas tão diferente do nosso. Neste caso específico, as ações do Bailey serão ainda mais importantes para o desenrolar dos acontecimentos, colocando o robô sideral R. Danel Olivaw numa posição mais coadjuvante e menos ativa do que ele havia exercido em As Cavernas de Aço.

As cavernas de aço (1)

Mesmo em um ambiente altamente tecnológico, é interessante constatar como o caso deve muito mais ao velho raciocínio e estudo do comportamento humano do que, por exemplo, a possíveis evidências e análises forenses. A parte psicológica do enredo é acentuada, e não apenas no choque entre culturas bem exposto ao longo do livro, mas também no entendimento do detetive sobre a personalidade daquelas pessoas. Bailey realiza entrevistas que trazem diálogos extremamente interessantes, levando-nos a refletir sobre os hábitos humanos e sua capacidade de condicionamento em diferentes habitats (algo também abordado no livro Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley).

Também não poderia ficar de fora a reflexão filosófica sobre o papel dos robôs, sua posição perante os seres humanos, e a discussão sobre a viabilidade e segurança das três leis da robótica, parte cativante de seus enredos. Em um choque bem orquestrado entre humanos, siderais (extraterrestres) e robôs, o texto de Asimov ganha contornos ainda mais enriquecedores, levando o leitor a uma imersão completa no universo sci-fi e, de quebra, desafiando-o a desvendar um crime impossível com vários prováveis suspeitos, reafirmando sua capacidade em trazer o que há de melhor nos dois mundos.

As cavernas de aço (3)

As cavernas de aço (4)

Robot Series:

1. Eu, Robô (1950)
2. As Cavernas de Aço (1953)
3. O Sol Desvelado (1955)
4. The Robots of Dawn (1983)
5. Robots and Empire (1985)

Título original: The Naked Sun
Editora: Aleph
Número de páginas: 288
Ano: 1957 (esta edição: 2014)
Gênero: Ficção científica/Romance policial/Thriller
[rating: 5/5]

Related Posts

58 Responses to [Resenha] O Sol Desvelado, de Isaac Asimov

  1. Adorei o vídeo!
    Vou começar com livros de ficção em breve (deixa só a faculdade me dar sossego). Tenho um livro da Aleph (Laranja Mecânica) que comprei com medo de acabar (Edição comemorativa), mas ainda não li e morro de vergonha de dizer, porque eu acho aquele livro lindo demais!
    Fiquei bem interessada em conhecer melhor o catálogo da Aleph!
    Vou dar uma passeadinha pelo site deles hehehe
    Bjs!

    • Eduarda Menezes disse:

      Obrigada, Fernanda!
      Também quero ler Laranja Mecânica, deve ser ótimo.
      A Aleph arrasa nos lançamentos, dá uma olhada depois. O perigo é querer tudo haha
      beijos

  2. Nessa disse:

    Oi Duda
    Ai, cada vez que leio uma de suas resenhas sobre os livros deste autor, eu ficou louca para ler algo.
    Pelos seus comentários o livro parece ser bem interessante, preciso logo adquirir esses livros.
    Nem sabe Duda, descobri que tem aqui na biblioteca que eu trabalho o livro “Eu Robô”, quero aproveitar e ler.Mas quero muito comprar esses outros. Eu acho tão lindos esses livros.
    Bela resenha.
    Beijos

  3. Vivi Lemes disse:

    Duda, estou louca por esta série! Conheci ela aqui no blog e quero muito ler o quanto antes. Gosto do que já li do autor e me interessei bastante por esta história também. Sabe dizer se os dois últimos tem tradução para o português?
    Bjs!

    • Eduarda Menezes disse:

      Tem sim, Vivi, mas estão esgotados =/ Foram lançados pela Aleph há muitos anos e ainda não ganharam reedições, mas creio que pretendem lançar novamente, até porque relançaram os dois primeiros e o de contos “Eu, Robô”, então acho que os demais vão sair também =)
      beijos

  4. Oi Duda

    Temos que concordar que além de genio como voce diz sobre ele, as capas dos livros são um arraso!!!

    Quero muito todos!!!

    Super beijo

  5. Como melhorar o que é perfeito?? Logo de cara fui impactada por suas palavras Duda… E assim como o autor melhorou você também a cada resenha melhora, cada uma que leio é um livro a mais para minha listinha de desejados.

  6. Roan disse:

    As três resenhas ficaram ótimas e deu ainda mais vontade de começar a leitura dos livros do Asimov 😀

  7. Ingrid disse:

    Faz uma resenha também da trilogia da fundação.

  8. Eu não li nada e já to quase virando fã do cara HAHA A capa é linda, a estória parece ser melhor ainda. E eu não consigo não comparar com As crônicas Marcianas já que foi o livro que fez com que eu me apaixonasse por sci-fi … Isso de intercalar acontecimentos da Terra com acontecimentos fora daqui me empolgam pra caramba. Não vejo a hora de conhecer esse livro.

    Beijos

  9. Fernanda disse:

    A capa desse livro é muito linda ❤❤❤❤❤❤

  10. Natali disse:

    Asimov é muito amor. Tô muito curiosa pra ler esse livro, só ouço elogios. Adorei a resenha =)

  11. Caramba! Nunca li nada do Aasimov, mas acho que vou começar por esse livro. Parece ser muito bom.

    Parabéns pela resenha e pelo vídeo.

  12. ADOREI sua comparação ao livro Admirável Mundo Novo e o que era vontade virou necessidade, hahaha. Aliás, Duda, me tira uma dúvida: Só os três primeiros da série foram lançadas pela editora Aleph até agora? Obrigada e parabéns!

    • Eduarda Menezes disse:

      Eles já lançaram os outros, mas há muitos anos e as edições estão esgotadas. Mas estão relançando, então em breve sai o próximo =)

  13. Max disse:

    Mais uma vez uma história do detetive Bailey. Na minha opinião Asimov poderia ter feito uma série enorme utilizando esses personagens, como as histórias de Sherlock Holmes.

    • Eduarda Menezes disse:

      Eu também acho, Max! Mas ele acabou morrendo apenas um tempinho depois de escrever o 4º romance da série. =/
      Acho que ainda teria feito muito mais!

  14. Ollie Sousa disse:

    Eu estou em colicas para ler os livros Asimov, principalmente depois de ler as resenhas… Oh céus que a força seja comigo!!! 😀

  15. Thaís Dória disse:

    Gostei da resenha e do livro, Parece ser muito bom.

  16. Cledi Alkimim disse:

    Oiiii !
    Sou nova por aqui mas estou viciada no
    Seu vlog/blog …..
    Amei essa serie… Parece ser otimos .
    Parabéns pelas resenhas.

  17. Percebi que esse autor faz umas capas bem diferentes. Parabéns pela resenha!

  18. Engraçado que eu não consegui gostar tanto desse livro quanto do “As Cavernas de Aço”. Achei algumas partes maçantes e, desde Fundação, sempre fico com vergonha por Asimov sempre que ele tenta colocar uma pitada de “romance” no livro. Eu, como leitora, sempre sinto destoar do resto do livro essas pequenas partes, como se ele tivesse forçado bastante pra colocar algo do tipo. O final, no entanto, foi bem legal, tão bom quanto o do primeiro (ele parece ter essa habilidade de bolar finais que instigam o leitor a querer mais).
    Eu li o livro e já tenho essas opiniões sobre ele (não aparentei tanto, mas me decepcionei demais), mas você coloca alguns pontos que eu não posso discordar e cheguei a conclusão de talvez tenha exagerado no meu julgamento. Te agradeço por isso.
    No mais, agora também estou com inveja do seu Mario traquinas em cima dos livros (já disse que as fotos são um algo a mais super legal?).

    • Eduarda Menezes disse:

      haha acabei de ler seu outro comentário. Obrigadaa! ♥ ♥ Acabei criando gosto por tirar fotos depois do blog rs
      E fico feliz que gostou da resenha e que tenha te proporcionado um novo olhar sobre algumas coisas.
      Vou ler Fundação em breve e já estou cheia de expectativas! 😀

  19. Shadai Vieira disse:

    Mais uma ótima resenha de um livro que me deixou com vontade de ler.
    Senti que a trama investigativa é bem fluida gostosa, enquanto que a parte “filosófica” sobre pessoas e robôs juntos faz com que a gente venha a refletir sobre comportamento.

  20. Mateus disse:

    Tenho muita vontade de ler mais livros dele, até hoje só li um, que eu amei.

  21. Thiago Roza disse:

    Acho que esse livro parece melhor que As Cavernas de Aço. Por acaso esses livros viraram filme ou algo assim?

  22. Aru disse:

    Li odas as resenhas do autor por conta do post da promoção do aniversário do BA e confesso que estou muito interessada!! Ainda mais com os livros datados da década de 50 e a visão da época do mundo tecnologico e ciencia robótica. Já vou colocar na lista. Obrigada pela resenha!

    • Eduarda Menezes disse:

      Que bom que gostou! Por mais que tenham sido escritos na década de 50, o autor era tão visionário que a gente nem percebe isso! Tanto que foi ele que criou o termo “robótica”. Espero que curta a leitura!

  23. Marina disse:

    AINDA não li nada de Asimov.A temática do ator é bastante interessante/fantástica.Pelo que vi de suas resenhas, ele muito bem equilibra em suas tramas o quesito ciência e os diálogos filosóficos.
    PS: Adorei a simples menção de Admirável Mundo Novo.

  24. Não li nenhum livro nesse estilo ainda e confesso não estar muito animada. Talvez futuramente eu mude de ideia; já que gostei da resenha.

  25. Lucia Marina disse:

    Terceira resenha seguida que leio aqui de livros de Asimov, e só fico pensando quem planeta eu estava que releguei tanto esses livros? E eles agora estão tão atuais, com notícias de pessoas que vão se mudar para Marte, ler Asimov ficou obrigatório. Preciso juntar cascalhos suficientes!

    • Eduarda Menezes disse:

      hahaha sim, são maravilhosos. Mas o importante é ler, não importa a época. Pense pelo lado positivo que você ainda terá muitas histórias maravilhosas do autor pela frente rs Pelo que você falou, acho que também vai amar As crônicas marcianas, de Ray Bradbury!

  26. Leila Maciel disse:

    Se a faculdade deixasse começaria agora a ler os livros de Asimov!

  27. Estou muito curioso para ler não só esses livros citados no cast como também outros desses mesmos autores. No caso do livro do Chuck Palahniuk ainda tenho uma dívida com o Clube da Luta, rs, opa, não bem uma dívida, mas uma vontade de enorme de ler o livro e ver se ele consegue superar o filme que é muito bom. Já do Asimov, como nerd e fã de alguns elementos de Sci-Fi eu faço questão de conhecer sua obra.

  28. Gostei de ler a sinopse desse livro. E pela resenha já deu pra ter um gostinho do que me aguarda nessa continuação. Fiquei encantada com seus comentários sobre esta série. Com certeza vou ler e quero conferir tudo que menciona aqui.
    Beijos.

  29. Luciane Souza disse:

    Uau! Não sou muito de ler ficção científica, nada contra, posso entrar nesse mundo numa boa, mas todo meu amor para romance policial, adoro. Acho que pode ser interessante me aventurar no sci-fi por aí,com a junção duma coisa que já gosto com outra que quero conhecer. Bj

  30. Ariadne disse:

    Aeee! Esse eu li. Asimov é Asimov né. Sem mais 🙂

  31. Fabio Yugo disse:

    As capas da Aleph , todo esse trabalho editorial que eles estão fazendo são incríveis , cada edição mais linda do que outra , essa e quase todo o catálogo deixam a gente com água na boca

  32. Gabriela Dias disse:

    Essa capa e a de Cavernas de Aço são maravilhosas, quero na minha estante 🙁

  33. Júlio César disse:

    Li a resenha e adorei!

  34. Amando este blog e participando do sorteio. beijos

  35. Alê Periard disse:

    Duda, não sou muito de ler séries justamente porque, as poucas que li o autor sempre deixava a desejar no segundo volume. Porém, sua resenha me encorajou muito! Mistério em um caso improvável daqueles que faz a gente roer as unhas para saber quem é o culpado: a-do-ro! E de quebra ainda temos as divagações / reflexões filosóficas do Asimov, muito bom!
    Entrou para minha lista de desejados.
    Bj

  36. Maria Tayná disse:

    Que capa linda!!! Adorei a resenha!

Deixe uma resposta para Eduarda Menezes Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *