MENU

by • abril 9, 2015 • ResenhasComments (12)3820

[Resenha] A Fazenda, de Tom Rob Smith

Quarto livro do escritor inglês Tom Rob Smith, A Fazenda foi publicado como história independente depois da famosa trilogia iniciada com Criança 44 (cuja adaptação está em vias de chegar aos cinemas, estrelada por Tom Hardy, Noomi Rapace e Gary Oldman). Apesar de não ter lido seu livro mais aclamado, a sinopse de A Fazenda despertou de imediato a minha atenção e resolvi me introduzir no mundo do autor pelo seu livro mais recente.

Filho de pai inglês e mãe sueca na vida real, o autor estendeu sua ascendência e orientação sexual ao protagonista do livro, além de outra experiência pessoal que o influenciou na construção do enredo. A história tem início quando Daniel recebe uma ligação do pai, agora morando na Suécia, avisando-lhe que a mãe enlouqueceu e precisa ser internada. Prestes a seguir de Londres para encontrá-los, sua mãe telefona, pedindo que não acredite em nada do que foi contado e evidenciando a necessidade de irem urgente à polícia.

A narrativa do livro é quase em sua totalidade o retrospecto da história da mãe contando ao filho as atividades suspeitas que vinham ocorrendo desde sua mudança da Inglaterra, há alguns meses, para uma fazenda isolada, como promessa de um recomeço. No entanto, seu relato é permeado por uma atmosfera de suspense e conspirações, que levam o leitor a duvidar do que ocorreu, característica que me deixou extremamente curiosa em relação ao desfecho do que a personagem atesta como um crime terrível, oferecendo as informações lentamente, com um nível de urgência.

Há certa dubiedade na trama e a estrutura do romance me agradou bastante. Os diálogos entre mãe e filho por vezes são quebrados pelo presente, com uma constante ameaça de interrupção. Foi interessante acompanhar o caso em retrospecto e tentar avaliar, junto com Daniel, as acusações de sua mãe e o que fazer com o que foi contado. Ainda que em dado momento algo tenha me parecido provável para a sustentação do livro como um bom suspense, achei interessante a promessa de mais descobertas e a apresentação do desfecho com uma revelação condizente com o que foi contado e como as peças se encaixaram.

A Fazenda possui o tipo de ritmo frenético que me agrada em thrillers psicológicos. A linguagem é simples e rápida de ler, ao mesmo tempo que instiga o leitor a desvendar os fatos e separar as partes verdadeiramente relevantes no que está sendo contado. É arriscado falar mais sobre o enredo, pois há o risco de estragar a expectativa, que é o ponto principal. O autor faz um bom trabalho ao entrelaçar informações e apresentar um lado psicológico acentuado. Ele brinca com percepções pessoais, a capacidade de avaliar até onde vai uma história, as verdades e mentiras que nos rodeiam e onde elas nasceram em nossas vidas.

Título original: The Farm
Editora: Record
Número de páginas: 336
Ano: 2014 (esta edição: 2015)
Gênero: Thriller psicológico

Related Posts

12 Responses to [Resenha] A Fazenda, de Tom Rob Smith

  1. Nessa disse:

    Oi Duda
    Cada vez mais eu aprendo e conheço tanto livros como autores novos.
    Pelos seus comentários pude perceber que a leitura deve ser mesmo boa. Eu estou começando agora ler Thriller psicológico e estou curtindo bastante, fiquei interessada no livro.

    Beijos

  2. Camila K. disse:

    Esse livro deve ser MUITO bom! Thrillers sempre têm um lugar especial no meu coração e esse deve ser realmente frenético. Adoro livros com essa proposta e vou colocar na minha lista infinita de futuras leituras.

    Beijos,
    Camila | http://www.lendoporai.com

  3. Estou super curiosa pra ler esse livro.
    Parece ser muito bom.
    A Duda como sempre me dando várias dicas boas *-*
    Vou comprar esse, (:

  4. Leticia disse:

    Olá, Duda!

    Terminei de ler esse livro essa semana. Curti vários pontos, achei um livro surpreendente, porém o final meio q me deixou com cara de tacho rs será que vai ter continuação ou eu perdi alguma coisa?!

    Beijos

    • Eduarda Menezes disse:

      Olá, Leticia! Esse não tem continuação, você ficou com alguma dúvida? Qualquer coisa me manda um e-mail que a gente conversa e eu te dou o meu ponto de vista, se ajudar rs
      beijos

      • Corina disse:

        Eu li e gostei bastante. No final fiquei com vontade que tivesse continuação. É dureza terminar um livro, ficamos com vontade de não largar a história, querendo saber o que mais está reservado para estes personagens.

        • Eduarda Menezes disse:

          O final é bem quando tudo é revelado para a pessoa mais interessada no caso, né? rs Acho que por isso ficamos nessa vontade de um algo a mais, a reação, etc. 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *